Ocorreu um erro neste gadget

sexta-feira, 17 de junho de 2011

República Velha: Simulado

1. “Jean de Léry, em seu livro Viagem à terra do Brasil, fala do estranhamento que os tupinambás tinham com relação ao interesse dos europeus pelo pau-brasil: “Uma vez um velho perguntoume:
Por que vindes vós outros, mairs e perôs (franceses e portugueses) buscar lenha de tão longe para vos aquecer? Não tendes madeira em vossa terra? Respondi que tínhamos muita mas não daquela qualidade, e que não a queimávamos, como ele o supunha, mas dela extraíamos tinta para tingir (...). Retrucou o velho imediatamente: e porventura precisais de muito? – Sim, respondi-lhe, pois no nosso país existem negociantes que possuem mais panos, facas, tesouras, espelhos e outras mercadorias do que podeis imaginar, e um só deles compra todo o pau-brasil com que muitos navios voltam carregados.”
In: LÉRY, Jean de. Viagem à terra do Brasil. Belo Horizonte, Ed. Itatiaia, São Paulo, Ed. USP, 1980, p. 168-9.
Com base no seu conhecimento da história das primeiras décadas da colonização do Brasil, coloque V, se for verdadeiro ou F se for falso:
( ) Alguns Estados europeus não reconheciam o direito de Portugal sobre a “nova terra” e, dessa forma, empreendiam incursões a fim de disputar a posse das riquezas naturais nela existentes.
( ) O pau-brasil, árvore então encontrada em abundância na Floresta Atlântica, era o principal produto brasileiro comercializado na Europa, onde o utilizavam como
matéria-prima nas manufaturas têxteis.
( ) Na exploração econômica do pau-brasil, o escambo representou a principal forma de relações comerciais entre europeus e indígenas da América Portuguesa.
( ) A exploração do pau-brasil só se tornou economicamente rentável para os portugueses com a introdução da mão-de-obra escrava africana.
( ) Tanto franceses como portugueses aproveitavam-se das desavenças entre grupos tribais para a obtenção de homens para o trabalho e para a guerra.
( ) A presença de Jean de Léry em solo brasileiro está associada ao episódio da criação da França Austral, momento em que aquela potência expandiu os seus domínios até o extremo sul do continente americano.

2. A produção de açúcar, desenvolvida no Nordeste brasileiro a partir do século XVI,
a) priorizou o uso de mão-de-obra indígena, graças ao domínio da técnica de cultivo;
b) promoveu a organização de uma sociedade aristocrática, patriarcal e escravista;
c) foi financiada por capitais da Coroa e da burguesia lusitana;
d) gerou uma economia monocultora e voltada para o mercado interno;
e) realizou-se em latifúndios, favorecendo o povoamento do sertão.

3. A respeito da economia e da sociedade no Brasil Colônia, é correto afirmar que:
a) no nordeste, a atividade pecuária ficou vinculada ao engenho, utilizando trabalho escravo negro e pouco contribuindo para a colonização do sertão;
b) na região das Minas, o surgimento de irmandades ou confrarias, que em geral se organizavam de acordo com linhas raciais definidas, estimulou a arte sacra barroca;
c) com o desenvolvimento da economia açucareira, as relações sociais foram adquirindo caráter aberto, favorecendo a mobilidade social de mestiços e homens brancos pobres;
d) as missões religiosas formadas pelos jesuítas visavam, através da catequese, preparar os indígenas para viverem integrados à sociedade dos brancos como mão-de-obra escrava.

4. Eram direitos dos donatários:
a) fundar vilas, conceder sesmarias e cobrar impostos;
b) a redízima, a vintena e a transferência da capitania para outro donatário;
c) fundar vilas, a redízima e a transferência da capitania para outro donatário;
d) a redízima, a cobrança de impostos e a venda da capitania para qualquer outro nobre;
e) fundar vilas, a vintena e a venda da capitania para qualquer outro nobre.

5. A economia colonial brasileira
a) possibilitou a comercialização direta dos produtos coloniais brasileiros com vários reinos europeus e vice-reinos coloniais americanos.
b) foi a base para a formação e o desenvolvimento da Companhia das Índias Ocidentais, com sede em amsterdã.
c) estimulou a produção de açúcar de cana na Europa.
d) tem, com a produção do tabaco e a exportação das ervas do sertão, os maiores lucros do período.
e) enquadrava-se nos interesses comerciais europeus que geraram a colonização.

6. O “ministério das capacidades” foi nomeado por:
a) D. Pedro I b) Padre Feijó c) Araújo Lima
d) Pedro II e) Evaristo da Veiga

7. .Os movimentos nativistas mais embasados filosoficamente pelas idéias iluministas foram:
a) Revolta Beckman e Guerra dos Mascates
b) Guerra dos Emboabas e Revolta de Felipe dos Santos
c) Revolta Beckman e Inconfidência Mineira
d) Revolta de Felipe dos Santos e Revolução dos Alfaiates
e) Inconfidência Mineira e Revolução dos Alfaiates
.
8. A Guerra Guaranítica é um episódio da História do Brasil referente a conquista e colonização do:
a) Maranhão b) Mato Grosso c) Sul do Brasil
d) Ceará e) Pará

9. Examinando a transmigração da Família Real para o Brasil pode mos concluir que:
I – Foi um ato voluntário e isolado de Portugal, sem vinculação com o contexto político europeu:
II – No campo econômico provocou profundas mudanças no Brasil.
III – Abriu caminho para soberania nacional.
IV – A posição comercial inglesa foi mais favorecida que a dos portugueses.

Com base na análise, assinale a alternativa correta.
a) Somente II, III e IV estão corretas.
b) Somente II e IV estão corretas.
c) Somente III e IV estão corretas.
d) Somente I, II e III estão corretas.
e) Todas estão corretas.

10. A Missão Saraiva é um fato ligado a nossa política externa como o (a):
a) Vaticano b) Uruguai c) Inglaterra d) Argentina e) Peru
11. A política de Rui Barbosa, conhecida como "Encilhamento” , favoreceu:
a) o desenvolvimento das artes em geral;
b) a educação escolar básica
c) a primeira crise econômica do governo republicano
d) a aprimoramento das relações da Igreja com o Estado;
e) o estabelecimento do governo provisório.

12. O primeiro presidente civil da República foi:
a)Hermes da fonseca b)Deodoro da Fonseca
c)Floriano Peixoto d)Prudente de Morais
e)Campos Sales

13. A modernização, da cidade do Rio de Janeiro pelo prefeito Pereira Passos e a tentativa do higienista Osvaldo Cruz de erradicar a febre amarela e a varíola das terras cariocas são fatos ocorridos no governo de:
a)Afonso Pena b)Epitácio Pessoa
c)Venceslau Brás d)Rodrigues Alves
e)Deodoro da Fonseca

14. Proclamada a República do Brasil, formou-se um governo provisório sob a chefia de Deodoro da Fonseca. São episódios desse governo:
a)Convênio de Taubaté e Funding Loan
b) Grande naturalização e a Revolta da Chibata
c) Revolta de Canudos e a Campanha Civilista
d)Revolta da Chibata e a Revolução Federalista
e)Grande naturalização e o Encilhamento

15. "Façamos a Revolução antes que o povo a faça", foi uma afirmação, nos convulsionados dias de 1930, proferidas por um dos chefes da Aliança Liberal:
a)Antônio Carlos de Andrada
b) Virgílio de Melo e Franco
c) João Neves Fontoura
d) Júlio Prestes
e)Washington Luís

16. O episódio conhecido com “Os 18 do Forte” marcou:
a) começo da Revolução de 1824
b) formação da Coluna Prestes
c) Rendição de Canudos
d) Derrubada da República Velha
e) Primeira revolta ligada ao movimento tenentista

17. A chamada Política dos Governadores, instituída a partir do governo de Campos Salles, caracterizava-se por:
a) permitir que a escolha do Presidente da República fosse resultado de um consenso entre os governadores;
b) tornar os governadores um mero instrumento do poder do Presidente da República;
c) fortalecer os governadores como o principal instrumento para garantir a estabilidade política entre as oligarquias regionais;
d) tornar os governadores representantes de um federalismo liberal e democrático;
e) promover, através dos governadores, a desarticulação das oligarquias locais.

18. A Revolução Federalista no Rio Grande do Sul e o levante de Canudos foram dois graves problemas com que se defrontou o governo de:
a) Floriano Peixoto b) Campos Salles
c) Prudente de Morais d)Hermes da Fonseca
e)Rodrigues Alves.

19. O início da política de valorização do café surge no governo de Rodrigues Alves, durante:
a) a Conferência de Itu b) o Funding Loan
c)o Convênio de Taubaté d) o Encilhamento
e)a política das Salvações

20. A Primeira Guerra mundial pode ser considerada fator de aceleração do processo econômico brasileiro porque:
a) dificultou as importações, originando a “ indústria de substituições”;
b) desenvolveu no Brasil uma indústria bélica para abastecer os aliados;
c) desenvolveu no Brasil uma indústria de base, com intuito de fornecer máquinas para os países aliados; aumentou as relações comerciais com os países do eixo;
d) provocou o desenvolvimento agropecuário no Nordeste para abastecer os Aliados.

21. A política externa da Primeira República, entre 1889 e 1930, é dominada em sua maior parte pela ação do Barão do Rio Branco. A ela encontra-se ligado o “Tratado de Petropólis” , de 1903, garantindo-nos a posse do Acre e a exploração econômica do seguinte produto:
a) juta b) petróleo c)borracha
d)madeira e)papel

22. A maior parte dos litígios fronteiriços do Brasil, durante a República Velha foi resolvida através:
a) da luta armada b) da compra do território contestado
c) do arbitramento d)do plebiscito na área em litígio
e) por determinação da ONU

23. A solução para o problema que surgiu entre a Argentina e Brasil sobre a posse da região de Palmas ( oeste de Santa Catarina), no início deste século, foi feita por:
a)ação militar do executivo brasileiro que venceu as forças argentinas;
b)arbitramento do presidente norte-americano Grover Cleveland que deu ganho de causa ao Brasil;
c)trocas territoriais decididas por diplomatas de ambos os países;
d) divisão da área entre as duas nações, decidida pelo árbitro suíço Walter Hauser;
e)pagamento de indenização do governo brasileiro ao argentino após negociações diplomáticas.

24. A Aliança Liberal” defendendo o lema “ Representação e Justiça”, apresentou na campanha pela sucessão presidencial a chapa formada por:
a) Nilo Peçanha – J. Seabra
b) Hermes da Fonseca – Venceslau Brás
c) Afonso Pena – Nilo Peçanha
d) Washington Luís – Melo Viana
e) Getúlio Vargas – João Pessoa

25. Sobre a Constituição de 1937, outorgada por Getúlio Vargas, que, através dela, institui o Estado Nacional, podemos afirmar que:
a) separou o Estado da Igreja
b) Aboliu o cargo de Vice Presidente da República
c) Permitiu o voto das mulheres
d) Estabeleceu o voto secreto
e) Denominou-se constituição da mandioca

26. A implantação do estado Novo no Brasil significa:
a)proscrição do Partido Comunista
b) a consolidação do Integralismo
c)a vinculação da política externa brasileira ao eixo Roma-Berlim
d)uma vitória pessoal do presidente Getúlio Vargas
e)a extinção do federalismo republicano.

27. Entre as iniciativas de Getúlio Vargas em 1930, destaca-se a criação do:
a) Programa de Integração Social
b) Departamento Nacional de Telecomunicações
c) Ministério da Indústria, Comércio e Trabalho
d) Instituto Nacional de Previdência Social
e) Partido Trabalhista Brasileiro

28. De um ponto de vista externo, a queda de Vargas em 1945 está vinculada:
a)à queda dos regimes totalitários fascistas no fim da Segunda Guerra Mundial;
b)às pressões dos Estados Unidos da América, interessados em governos democráticos em todo o continente;
c)ao apoio dado pela Forças Armadas dos EUA aos militares brasileiros, responsáveis pela queda do ditador gaúcho;
d)à perda de prestígio internacional, já que o ditador apoiava os regimes totalitários da Itália e da Alemanha;
e)às ligações econômicas, políticas e ideológicas entre o governo brasileiro e as potências do eixo.

29. O “Manifesto dos Mineiros” (1943), que contou com a assinatura de Milton Campos, Pedro Aleixo e Magalhães Pinto, entre outros foi uma:
a)manifestação contrária ao esquerdismo na política brasileira;
b)posição assumida pelo empresariado contra o imperialismo norte americano;
c)denúncia contra a influência da Ação Integralista Brasileira;
d)demonstração de apoio ao governo de Getúlio Vargas;
e)definição de políticos liberais em relação ao Estado Novo;

30. A criação da Petrobrás, monopolizando a prospecção e a refinação de petróleo no Brasil, ocorreu no governo de:
a)Juscelino b)João Goulart c)Dutra
d)Getúlio Vargas e)Castelo Branco

31. Dentre as metas prioritárias contidas no plano de governo de Juscelino Kubitchek, podemos citar:
a)a integração da indústria básica e a política externa independente;
b)a indústria nuclear, à construção naval e a colonização do Oeste;
c)a indústria básica, a educação e a liderança brasileira no Terceiro Mundo;
d)a construção de Brasília, a indústria Bélica e a integração nacional;
e)energia, indústria básica e transportes.

32. O cargo de Presidente do Conselho de Ministros no regime parlamentarista instalado no Brasil em 1961 foi primeiramente exercido por:
a) Raul Pila b)Tancredo Neves c)Moura Andrade
d)Delfim Neto e)Santiago Dantas

33. Ao iniciar a execução do Plano Trienal, plano de combate a inflação e de promoção do desenvolvimento econômico do Brasil, João Goulart tinha á frente do Ministério do Planejamento e Coordenação Econômica:
a)Darci Ribeiro b)Delfim Neto
C)Celso Furtado d)Roberto Campos e) Santiago Campos

34. O Banco Nacional da Habitação e o Banco Central são criações do governo de:
a)João Goulart b)Médici c)Castelo Branco
d)Getúlio Vargas e)Geisel

35. A partir de 1964 é meta governamental um amplo desenvolvimento no campo econômico. Para que esse objetivo seja alcançado foram feitos sucessivos planejamentos. O que esteve em execução no governo Médici foi:
a)Plano de Ação Econômica do Governo (PAEG)
b)Plano Salte
c)Plano Cohen
d)I Plano Nacional de Desenvolvimento(IPND)
e) Plano Qüinqüenal

36. O governo de Médici destacou-se pelas seguintes realizações:
a)instalações das hidrelétricas de Furnas e Itaipú;
b) criação da Sudam e da Sudene;
c) Criação do PIS e do PRORURAL
d)construção das rodovias Transamazônica e Belém-e)Brasília implantação da indústria naval e desenvolvimento da energia nuclear.

37. Durante o governo de Dutra (1946-1951) são verdadeiras as afirmativas referentes à política externa brasileira, exceto:
a) o alinhamento do Brasil com os EUA para a defesa do continente e na luta contra o comunismo;
b)a assinatura do Tratado Interamericano de Assistência Recíproca (TIAR);
c) a assinatura da Carta de Bogotá, da qual resultou a Organização
dos Estados Americanos (OEA);
d) o rompimento das relações com a URSS;
e)política externa independente, visando assumir a liderança entre os países do Terceiro Mundo, sobretudo na América Latina.

38. Durante o governo do Presidente Jânio Quadros forma alteradas as diretrizes da política externa. Essas alterações ficaram conhecidas como:
a)política externa independente, com aproximação comercial e cultural dos países africanos, especialmente os de língua portuguesa;
b)política externa independente, com aproximação cultural e econômica dos países da Europa Central e Ocidental;
c)política externa independente, com aproximação comercial e industrial, dos países comunistas;
d) política externa dependente, com definição do pragamatismo econômico sob a direção norte-americana
e) política externa dependente, com aproximação comercial e cultural dos países latino-americanos.

39. A abertura de relações diplomáticas com a República Popular da China favorecendo o escoamento de produtos brasileiros para este amplo mercado, assim como a assinatura do Acordo Nuclear Brasil- Alemanha são realizações do governo;
a)Castelo Branco b)Costa e Silva
c)Médici d)ErnestoGeisel e)Figueiredo


40. Os reis de Portugal D. João I e D. Sebastião pertenceram, respectivamente, às dinastias de:
(A) Borgonha e Avis (B) Avis e Bragança
(E) Borgonha e Bragança
(C) Bragança e Avis (D) Avis e Avis

41. Sobre a expansão marítima portuguesa podemos concluir que:
I - Foi iniciada com a conquista de Ceuta.
II - Visava fundar colônias de povoamento nas costas africanas.
III - O objetivo final seria fundar feitorias em Calicute e expandir a fé cristã.
IV- Ficou conhecida como ciclo oriental.
Com base na avaliação das afirmativas apresentadas, assinale a alternativa correta:
(A) Todas as afirmativas são verdadeiras
(B) São verdadeiras as afirmativas I, II e III
(C) São verdadeiras as afirmativas I, II e IV
(D) São verdadeiras as afirmativas I, III e IV
(E) São verdadeiras as afirmativas II, III e IV

42. O principal argumento que defende a tese da intencional idade do Descobrimento do Brasil é:
(A) a implantação da Política do Segredo, por parte de Portugal
(B) a interpretação histórica da carta de Pero Vaz de Caminha
(C) a presença de espanhóis no litoral brasileiro, em 1499
(D) a experiência náutica dos comandantes da esquadra de Cabral
(E) a modificação da Bula Inter-Coetera para Tratado de Tordesilhas

43. O principal motivo que levou Portugal a implantar o sistema de Capitanias Hereditárias no Brasil foi:
(A) carência de recursos financeiros
(B) distribuir terras ao excedente populacional português
(C) atender às exigências da burguesia mercantil
(D) centralizar a administração colonial
(E) ocupar rapidamente todo o litoral e o interior do Brasil

44. A respeito dos grupos indígenas no Brasil podemos afirmar que:
(A) praticavam o suicídio coletivo e foram catequizados nas Missões do litoral
(B) organizavam-se em tribos e eram monogâmicos
(C) foram empregados na criação do gado e eram politeístas
(D) adaptaram-se ao trabalho na lavoura e eram nômades
(E) miscigenaram com o homem branco gerando o cafuzo e o grupo tupi era o que habitava a maior parte do nosso litoral

45. Quanto ao tráfico negreiro podemos concluir:
I - Foi incentivado pela Coroa portuguesa que recebia 10% do lucro
III - A aguardente, o tabaco e o pau-brasil eram as "moedas" básicas do escambo escravista
III - A maioria dos negros trazidos da África eram das tribos dos Bantos e dos Sudaneses
IV - Os navios negreiros eram conhecidos por tumbeiros devido à excessiva mortandade em seu interior

Com base na avaliação das afirmativas apresentadas, assinale a alternativa correta:
(A) Todas as afirmativas são verdadeiras
(B) São verdadeiras as afirmativas I, II e III
(C) São verdadeiras as afirmativas I, II e IV
(D) São verdadeiras as afirmativas I, III e IV
(E) São verdadeiras as afirmativas II, III e IV

46. Dentre as contribuições do branco português à nossa cultura podemos destacar:
(A) couvade e o gosto pelo comércio
(D) coivara e caráter paternalista
(B) sincretismo religioso e o idioma
(D) expansão territorial e a religião católica
(E) canoas e o uso do tabaco

47. Dentre as afirmações abaixo assinale a que NÃO está relacionada com a Economia Colonial:
(A) a atividade extrativa do pau-brasil não fixou o homem à terra.
(B) a empresa açucareira foi a solução encontrada por Portugal para ativar o mercado interno no Brasil.
(C) o sistema de PLANTATION incluía dentre outros aspectos a mão de obra escrava indígena ou negra.
(D) o ouro descoberto na região das Gerais era do tipo aluvião, logo esgotou-se rapidamente.
(E) as drogas do sertão foram coletadas pelos índios aculturados nas Missões do Amazonas.

48. Comparando a estrutura da sociedade da cana-de-açúcar com a da mineração podemos afirmar que:
(A) eram muito semelhantes pois ambas adotavam o Plantation.
(B) eram diversificadas pois enquanto a da cana adotava o escravismo a da mineração quase não o empregava.
(C) eram semelhantes quanto ao aspecto da mobilidade social.
(D) eram diversificadas quanto ao acesso mais democrático da mineração.
(E) ambas tinham a base escravista e criaram núcleos urbanos.

49. Uma das causas da Inconfidência Mineira foi o (a):
(A) adoção do livre cambismo na região das Gerais
(B) Alvará de 1701 que restringia a permanência do gado a menos de 10 léguas do litoral
(C) proibição da circulação do ouro em pó ou em pepitas
(D) criação das Casas de Fundição
(E) temor da cobrança dos impostos atrasados

50. Correlacione a coluna da direita com a esquerda.

PERSONAGENS
1. João Ramalho
2. Felipe dos Santos
3. Mem de Sá
4. Vilegaignon
5. Estácio de Sá
6. Duarte da Costa
7. Caramuru
FATOS HISTÓRICOS

( ) Náufrago português que auxiliou Martim Afonso de Souza a fundar o primeiro núcleo colonizador no Brasil
( ) Fundou o Forte de Coligny
( ) Governador-geral quando da fundação da França Antártica pelos franceses

(A) 1 - 4 - 6
(B) 7 - 5 - 3
(C) 7 - 4 – 3
(D) 1-5-6
(E) 2 - 3 - 5



GABARITO
1. V V V F V F, 2. B, 3.B, 4.A, 5.E,6.C, 7.E, 8.C, 9.A, 10. B, 11.C, 12.D, 13.D, 14. E, 15.A, 16.E, 17.C, 18.C, 19.C, 20.A, 21.C, 22.C, 23.B, 24.E, 25.B, 26.D, 27.C, 28.A, 29.A, 30.D, 31.E, 32.B, 33.C, 34.C, 35.D, 36.B, 37.E, 38.C, 39. D, 40.D, 41. D, 42.E, 43.A, 44C, 45.D, 46.D, 47.B, 48.D, 49.E, 50.A,

República Velha: exercícioscom gabarito

1. (UFMS) – 001 A propósito da chamada era de Vargas no Brasil, é correto afirmar que no ano de 1932 surgiu no Estado de São Paulo um movimento, sob a denominação MMDC, cujos líderes Martins, Miragaia, Drausio e Camargo reuniram-se para apoiar o governo de Getúlio Vargas 002 o período de Vargas caracterizou-se, entre outros fatos políticos, por conflitos violentos travados entre dois grupos antagônicos: de um lado, os integralistas, simpatizantes dos ideais fascistas; e de outro, os comunistas, que pregavam a revolução e a ascensão ao poder das classes trabalhadoras. 008 em 1942, navios mercantes brasileiros foram afundados no Atlântico, fato que justificou a declaração de guerra formal do governo Vargas contra os países do Eixo. 016 um dos fatores que garantiu as bases democráticas do governo de Getúlio Vargas nessa fase de 1937 a 1945, foi a criação do DIP – Departamento de Imprensa e Propaganda. Soma – ( ) 02 - (Unicamp SP) – Em novembro de 1904, data da revolta, o trabalho de demolição das casas para abrir a avenida Central, executado por cerca de 1800 funcionários, terminara, e 16 dos novos edifícios estavam sendo construídos. O eixo central da nova avenida fora inaugurado em 7 de setembro em meio a grandes festas, já com serviços de bondes e iluminação elétrica. A derrubada de cerca de 640 prédios através da parte mais habitada da cidade, um corredor que ia da Prainha ao Passeio Público. Era como abrir o ventre da velha cidade. (José Murilo de Cavalho, Os bestializados: O Rio de Janeiro e a República que não foi, SP, Cia das Letras, 1987. P. 93) a) Que revolta corrida no Rio de Janeiro, está mencionada no texto? b) Cite duas razões para eclosão dessa revolta. 03. (Unicamp-SP) – Após a proclamação da República, uma nova bandeira nacional foi criada para substituir a antiga bandeira di Império. O lema da nona bandeira era Ordem e Progresso. a) Por que o governo republicano determinou que se substituísse a bandeira? b) Explique por que, naquele momento, era importante para o governo republicano demonstrar sua preocupação com a ordem pública e seu compromisso com o progresso. 04. (Fuvest-SP). É possível defender a tese de que o café é um produto que ao mesmo tempo facilitou e dificultou o início da industrialização no Brasil. Argumente sobre essa tese 05. (Vunesp-SP)) Consulte os dados da tabela e responda: ESCRAVOS IMPORTADOS DA ÁFRICA PARA O BRASIL ANO Nº DE ESCRAVOS IMPORTADOS 1849 54.000 1850 23.000 1851 3.000 1852 700 a) O que se deve a diminuição do número de escravos a partir de 1850? b) Dê uma conseqüência da diminuição de escravos. 06. (Fuvest-SP) A “Política dos Governadores” implementada pelo Presidente Campos Sales, constituiu-se em um dos pilares da República Velha, estendendo-se até 1930. Explique seu funcionamento. 07. (UFPA) As chamadas Questão Religiosa e Questão Militar, verificadas no acaso do Segundo Reinado, atuaram no sentido de apressar o advento da república. Relativamente à Questão Religiosa, assegura-se que: A) os seus desdobramentos, na Europa, colocaram as monarquias católicas contra D. Pedro II, abalando seriamente o prestígio do Imperador. B) o fechamento de inúmeras igrejas, no Pará e em Pernambuco, a mando do Imperador, produziu um grande número de opositores à monarquia dentre o clero brasileiro, que era apoiado pela maioria católica no país. C) a questão em si tornava evidente a necessidade da separação entre Igreja e Estado no Brasil, precisamente como argumentavam os defensores da República. D) a prisão dos bispos de Olinda e Belém levou os católicos radicais brasileiros a fundar o Clube da Reforma, associação que passou defender a república no Brasil. E) os seus resultados, principalmente a expulsão da Maçonaria do Brasil, serviram para evidenciar o caráter absolutista da monarquia brasileira. 08. (MACKENZIE) - Sobre a participação dos militares na Proclamação da República é correto afirmar que: A) o Partido Republicano foi influenciado pelos imigrantes anarquis­tas a desenvolver a consciência política no seio do exército. B) a proibição de debates políticos e militares pela imprensa, a influência das idéias de Augusto Comte e o descaso do Impe­rador para com o exército favoreceram a derrubada do Império. C) o descaso de membros do Partido Republicano, como Sena Madureira e Cunha Matos, em relação ao exército, expresso através da imprensa, levou os "casacas"a proclamar a Repúbli­ca. D) Gabinete do Visconde de Ouro Preto formalizou uma aliança pró-republicana com os militares positivistas no Baile da Ilha Fiscal. E) aliança dos militares com a Igreja acirrou as divergências entre mili tares e republicanos, culminando na Questão Militar. 09. (UNIFENAS) - Republicanos civis e militares unem-se para derru­bar a Monarquia, que cai em 1889. A República que então se ins­tala, I. assiste com o Marechal Deodoro, seu primeiro presidente, a práticas autoritárias de governo, entre as quais a dissolução do Congresso; II. foi marcada pela intensa atuação dos cafeicultores de uma Constituinte voltada para os seus interesses; III. permite a continuidade dessa união apesar das profundas dife­renças entre civis e militares IV. nasceu Velha, pois a economia era sobretudo agrícola, conti­nuando as populações rurais na dependência das oligarquias; V. passou, com a eleição de Prudente de Morais em 1894, a ser controlada pelos mineiros, controle que se prolonga até 1930. São incorretas as afirmativas: A) I, III e IV; B) I e II; C) I e IV; D) III e IV; E) IV. III e I. 10. (MACKENZIE) - A hegemonia política dos Estados economica­mente fortes e populosos, São Paulo e Minas Gerais, durante a República Velha, foi viabilizada através: A) do apoio de grupos militares vinculadas ao tenentismo. B) da política dos governadores que, articulando os governos esta­dual e federal, anulava totalmente a oposição. C) de movimentos sociais populares de apoio ao Estado oligár­quico. D) da instituição do voto secreto e fim da representação propor­cional. E) da Constituição de 1891, que estabeleceu um Estado unitário e fortemente centralizado. 11. (PUC) A República criou uma cidadania precária, porque calcada na manutenção da iniqüidade das estruturas sociais – acentuou as distâncias entre as diversas regiões do país, cobrindo-as com a roupagem do federalismo difuso da política dos governadores ou dando à continuidade à geografia oligárquica do poder que desde o império, diluía o formalismo do Estado e das instituições. (Saliba, Elias Thomé, Raízes do Riso: representação humorística na história brasileira; Belle Époque aos primeiros tempos do rádio. São Paulo, Cia das Letras, 2002. p.67) O fragmento do texto acima refere-se aos primeiros tempos da República no Brasil. É correto afirmar que implantação da República: A) renovou as instituições políticas, ampliando o poder do Estado e dissolvendo os poderes locais. B) alterou radicalmente a estrutura social do Império, devido à ascensão da burguesia e declínio da aristocracia. C) introduziu um modelo federalista, que permitiu maior autonomia local e integração nacional. D) manteve os desníveis sociais presentes no Império e não ofereceu ampliação significativa dos direitos de cidadania. E) centralizou agudamente o poder nas mãos dos governadores, diminuindo as atribuições das instituições políticas e do Presidente da República. 12. (FGV-SP) O acerto do funding loan, entre o presidente Campos Sales e a Casa Rothschild, representou para a economia brasileira: A) as condições necessárias para o primeiro investimento industrial do país. B) uma reacomodação da dívida brasileira com os EUA, que permitiu subsidiar por mais alguns anos os cafeicultores paulistas. C) um novo empréstimo e a suspensão da amortização do débito até 1911 D) o fim do ciclo de dependência em relação aos banqueiros ingleses, com o perdão da dívida e a amortização dos empréstimos até 1930. E) uma política deflacionária que estabilizou o país pelas décadas seguintes. Gabarito: 1. 2 + 8 = 10 2. a) - Revolta da Vacina, que significou uma reação das camadas populares da cidade do Rio de Janeiro à vacinação obrigatória determinada pelo governo. b) - Reação a vacinação obrigatória, revolta das camadas populares que moravam próximo ao centro da cidade e estavam sendo prejudicadas com a reforma que remodelaram a cidade, abrindo avenidas e derrubando velhas construções 3. a) A nova bandeira simbolizava o novo regime, abolindo os símbolos monárquicos da bandeira anterior. A manutenção das cores verde e amarela, contudo passava a idéia de continuidade na vida política da nação e a frase confirmava a ideologia positivista do novo regime. b) Na ideologia republicana, a monarquia era passado, o atraso;a República o progresso, o futuro. Dessa forma, a proclamação da República seria resultado da própria evolução da sociedade brasileira. Garantir a ordem era também uma preocupação primordial dos republicanos que assumiram o poder. Temia-se, com ou sem razão, uma reação monarquista. O lema é de clara inspiração positivista, cuja a influência no Exército era marcante .como sabemos, a instituição foi um protagonista importante na queda da Monarquia, e os militares governaram o país na fase inicial do período republicano (República da Espada). 4. - Os capitais acumulados na atividade cafeeira foram aplicados na indústria. O café dinamizou o mercado interno, introduzindo a mão de obra assalariada do imigrante e modernizou os transportes e o sistema financeiro, ambos benéficos à indústria. Todavia o Estado brasileiro era controlado pela aristocracia agrária e,por esta razão, não implementou uma política industrial para o país. Apesar do relativo desenvolvimento industrial ocorrido com a expansão cafeeira continuávamos ainda com uma economia essencialmente agroexportadora, os setores básicos da industrialização (química, siderurgia, etc) ainda não tinha se desenvolvido para que pudesse alavancar outras necessidades industriais. O sucesso do café sustenta a idéia que o Brasil é um país com vocação agrícola, a riqueza gerada pelo café garantia as divisas necessárias para o país. Portanto o café foi tanto impulsionador como limitador de nossa industrialização. 5. a) - em 1850, com a pressão inglesa, o Brasil decreta o fim do tráfico negreiro com a publicação da Lei Euzébio de Queiróz, diminuindo drasticamente o tráfico, como mostra a tabela. b) - criou um grande problema de mão de obra para a agricultura brasileira , principalmente para a lavoura cafeeira, o problema foi atacado com a mão de obra dos imigrantes. Podemos dizer também que o preço do escravo ficou muito caro desencadeando uma busca maior por parte dos nossos “barões do café” pela mão de obra assalariada o que fazia parte do ideal republicano, vinculado por algumas classe da época. 6. - Consistia em uma aliança entre os governos estaduais e o governo federal. Esta aliança garantia o apoio do Senado e da Câmara dos Deputados ao governo federal. Em troca o governo federal dava todo apoio à oligarquia que estivesse no poder nos estados, inclusive impedindo a posse de depurados eleitos pela oposição usando a Comissão de Reconhecimento de Poder ou Comissão Verificadora. Nomeações, verbas, obras e demais medidas do governo federal só se faziam orientadas pelo interesse das oligarquias locais. Por sua vez o poder estadual dependia do apoio dos coronéis (grandes fazendeiros) que controlavam os votos da região (coronelismo) isso era feito por meio de favores, ajuda econômica, laços de compadrio e emprego da violência além de fraude eleitora. 7 – c , 8- b, 9 – d, 10 – b, 11 – d, 12- c

Adolf Hitler: Photos rares du 3e Reich conservées par la revue: revista Life (1939 - 1940)

As fotos foram feitas por um fotógrafo da Revista Life entre 1939 e 1940 em Berlin e ficaram desaparecidas por mais de 50 anos, pois esse fotógrafo americano desapareceu logo no início do conflito, juntamente com a sua máquina fotográfica marca Rolleiflex e esses diapositivos originais (utilizados na época para reprodução em revistas) a maioria em 6 x 9 polegadas (vejam os detalhes das molduras originais dos cromos). Esses cromos foram achados por uma enfermeira alemã de um hospital em "Berlin", que os guardou todos esses anos. Após a sua morte, sua filha os achou e devolveu ao atual editor americano que tem os direitos da marca Life Magazine, que não é mais publicada desde o início dos anos 70. Interessante o fusca em 1939, um fantástico avanço tecnológico na época.

quarta-feira, 15 de junho de 2011

Getúlio Vargas: Resumo

Getúlio Vargas BIBLIOGRAFIA Getúlio Dornelles Vargas nasceu em 19/4/1882, na cidade de São Borja (RS) e faleceu em 24/8/1954, na cidade do Rio de Janeiro (RJ). Foi o presidente que mais tempo governou o Brasil, durante dois mandatos. Foi presidente do Brasil entre os anos de 1930 a 1945 e de 1951 a 1954. Entre 1937 e 1945 instalou a fase de ditadura, o chamado Estado Novo. Revolução de 1930 e entrada no poder Getúlio Vargas assumiu o poder em 1930, após comandar a Revolução de 1930, que derrubou o governo de Washington Luís. Seus quinze anos de governo seguintes, caracterizaram-se pelo nacionalismo e populismo. Sob seu governo foi promulgada a Constituição de 1934. Fecha o Congresso Nacional em 1937, instala o Estado Novo e passa a governar com poderes ditatoriais. Sua forma de governo passa a ser centralizadora e controladora. Criou o DIP ( Departamento de Imprensa e Propaganda ) para controlar e censurar manifestações contrárias ao seu governo. Perseguiu opositores políticos, principalmente partidários do comunismo. Enviou Olga Benário esposa do líder comunista Luis Carlos Prestes, para o governo nazista. Realizações Vargas criou a Justiça do Trabalho (1939), instituiu o salário mínimo, a Consolidação das Leis do Trabalho, também conhecida por CLT. Os direitos trabalhistas também são frutos de seu governo: carteira profissional, semana de trabalho de 48 horas e as férias remuneradas. GV investiu muito na área de infraestrutura, criando a Companhia Siderúrgica Nacional (1940), a Vale do Rio Doce (1942), e a Hidrelétrica do Vale do São Francisco (1945). Em 1938, criou o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística). Saiu do governo em 1945, após um golpe militar. O Golpe de Estado de 1937 Em janeiro de 1938 deveriam ocorrer as eleições presidenciais. Porém, alegando a existência de um suposto plano comunista (Plano Cohen) e aproveitando o momento de instabilidade política pelo qual passava o país, Getúlio Vargas deu um golpe de estado em 10 de novembro de 1937. Vargas contou com o apoio de grande parte da população (principalmente da classe média com medo do comunismo) e dos militares. Começou assim um período ditatorial. Após o golpe, Vargas fechou o Congresso Nacional e impôs uma nova constituição (apelidada de “polaca”) com várias características antidemocráticas. Realizações e fatos deste período: - Censura aos meios de comunicação (rádios, revistas e jornais) e às manifestações artísticas como, por exemplo, teatro, cinema e música; - Criação do DIP (Departamento de Imprensa e Propaganda) para promover e divulgar as realizações do governo; - Perseguição e, em alguns casos, prisão de opositores e inimigos políticos; - Repressão às manifestações políticas e sociais (protestos, greves, passeatas); - Controle dos sindicatos; - Criação da CLT (Consolidação das Leis do Trabalho) em 1943, garantindo vários direitos aos trabalhadores; - Criação da Justiça do Trabalho, da carteira de trabalho, salário mínimo, descanso semanal remunerado, jornada de trabalho de oito horas e regulamentação do trabalho feminino de menores de idade; - Centralização administrativa do estado (aumento da burocracia estatal); - Criação de uma nova moeda, o cruzeiro; - Investimentos em infra-estrutura e ênfase no desenvolvimento industrial (criação da CSN – Companhia Siderúrgica Nacional e Companhia Vale do Rio Doce); - Participação do Brasil na Segunda Guerra Mundial ao lado dos aliados (Inglaterra, Estados Unidos e União Soviética), com o enviou da FEB (Força Expedicionárias Brasileiras) aos campos de batalha na Itália. Fim do Estado Novo Com o final da 2ª Guerra Mundial (1945) e a derrota das nações fascistas, a opinião pública começou a contestar o regime ditatorial varguista. Intelectuais, artistas, profissionais liberais e grande parcela do povo queriam a volta da democracia ao país. A pressão para a renúncia de Vargas aumentava a cada dia. No dia 29 de outubro de 1945, um movimento militar, liderado por generais, depôs do poder Getúlio Vargas. O Segundo Mandato Em 1950, Vargas voltou ao poder através de eleições democráticas. Neste governo continuou com uma política nacionalista. Criou a campanha do " Petróleo é Nosso" que resultaria na criação da Petrobrás. O suicídio de Vargas Em agosto de 1954, Vargas suicidou-se no Palácio do Catete com um tiro no peito. Deixou uma carta testamento com uma frase que entrou para a história : "Deixo a vida para entrar na História." Até hoje o suicídio de Vargas gera polêmicas. O que sabemos é que seus últimos dias de governo foram marcados por forte pressão política por parte da imprensa e dos militares. A situação econômica do país não era positiva o que gerava muito descontentamento entre a população. Conclusão Embora tenha sido um ditador e governado com medidas controladoras e populistas, Vargas foi um presidente marcado pelo investimento no Brasil. Além de criar obras de infra-estrutura e desenvolver o parque industrial brasileiro, tomou medidas favoráveis aos trabalhadores. Foi na área do trabalho que deixou sua marca registrada. Sua política econômica gerou empregos no Brasil e suas medidas na área do trabalho favoreceram os trabalhadores brasileiros. O Estado Novo é o nome que se deu ao período em que Getúlio Vargas governou o Brasil de 1937 a 1945. Este período ficou marcado, no campo político, por um governo ditatorial. O governo de Vargas, durante o Estado Novo, apresentou pontos positivos e negativos para o país. Na área econômica, o país fez grandes avanços com a modernização industrial e investimentos e infra-estrutura. Os trabalhadores também foram beneficiados com leis trabalhistas, garantindo diversos direitos. Porém, no aspecto político, o Estado Novo significou a falta de democracia, censura e aplicação de um regime de caráter populista. Responda: 1- Como Getúlio Vargas chegou no poder? 2-Cite as características do governo de Getúlio Vargas. 3- O que foi o Estado Novo? 4- Que mudanças Vargas assegurou, em relação aos direitos trabalhistas? 5- De que forma chega ao poder em 1950?

terça-feira, 14 de junho de 2011

EGITO ANTIGO

s origens da civilização egípcia datam de 4.000 anos a.C. A população começou a se concentrar no vale do rio Nilo, formando as primeiras aldeias (nomos), que mais tarde evoluíram para prósperas cidades agrícolas e depois se uniram formando o Alto Egito (ao sul) e o Baixo Egito (ao norte). O Egito sempre dependeu do Nilo para sua formação e seu desenvolvimento. Seus habitantes travavam uma luta constante para controlar as inundações periódicas desse rio, graças ao qual obtinham também grandes colheitas. Por volta de 3200 a.C., o rei Menés (ou Narmer), do Alto Egito, conquistou as cidades do Baixo Egito, unificando todo o império. Floresceu então a cultura egípcia, que deixou como legado grandes invenções, como a moeda, o calendário agrícola, o arado, a escrita hieroglífica e a fabricação do papiro. Seu esplendor manifestou-se em gigantescos templos e pirâmides e revelou-se na filosofia, na arte e nas ciências. O Rio Nilo O Egito da Antigüidade dividia-se em duas terras: o Alto Egito, que corresponde ao sul do país, e Baixo Egito, a região do Delta do Nilo. Em cada porção o povo vivia de um modo distinto, até porque o clima entre norte e sul era diferente. Portanto, o tipo de produtos cultivados também diferia. Ao logo da história egípcia, porém, o povo sempre falou a mesma língua, compar- tilhou uma mesma visão do mundo, uma mesma estrutura institucional, entre outras coisas. Eles cultivavam a idéia de superioridade perante outros povos e lutavam para manter seus costumes e valores. A melhor explicação para a importância do rio Nilo para os egípcios está escrita no hino, desenvolvido por eles ainda na Antigüidade e também na célebre frase do filósofo e historiador grego Heródoto: "Salve, ó Nilo! Ó tu que manifestaste sobre esta terra e vens em paz para dar vida ao Egito. Regas a terra em toda a parte, deus dos grãos, senhor dos peixes, criador do trigo, produtor da cevada... Ele traz as provisões deliciosas, cria todas as coisas boas, é o senhor das nutrições agradáveis e escolhidas. Ele produz a forragem para os animais, provê os sacrifícios para todos os deuses. Ele se apodera de dois países e os celeiros se enchem, os entrepostos regurgitam, os bens dos pobres se multiplicam; torna feliz cada um conforme seu desejo... Não se esculpem pedras nem estátuas em tua honra, nem se conhece o lugar onde ele está. Entretanto, governas como um rei cujos decretos estão estabelecidos pela terra inteira, por quem são bebidas as lágrimas de todos os olhos e que é pródigo de tuas bondades." "O Egito é uma dádiva do Nilo." Em síntese, pode-se dizer que a vida só se tornou possível nas terras do Egito por causa do grande rio Nilo. Anualmente, de junho a novembro, chovia nas nascentes deste, o que provocava inundações e o aumento do nível da água. Neste período as cheias arrastavam tudo que estivesse às margens e, consequentemente, impedia a agricultura. No entanto, quando as águas voltavam ao nível normal, uma grossa camada de limo fertilizante (húmus) era deixada sobre a terra, propiciando o cultivo de todos os tipos de cereais, frutas e outras culturas. Desse modo, povos que antes foram nômades logo se fixaram no vale do Nilo, originando a próspera civilização egípcia O Templo Era uma construção monumental destinada ao culto dos deuses. Ali também prestavam-se homenagens aos faraós, destacando seu poder sobrenatural. Seu intuito era impressionar o povo e, assim, dominá-lo. Com suas muralhas, o templo separava o mundo celestial do mundo terreno, convertendo o faraó em intermediário entre o povo e os deuses. No templo, os valores religiosos e os administrativos eram unidos. Com o tempo, os sacerdotes adquiriram um grande destaque econômico e político. Elementos Arquitetônicos Nos templos egípcios havia um esquema básico sempre repetido: uma avenida externa de esfinges conduzia à porta principal. Depois desta, havia um grande pátio que dava acesso à sala hipostila. Vinha, então, a sala dos sacerdotes. Atrás de um segundo pátio localizava-se o santuário, onde ficava a imagem da divindade. A essa sala só tinham acesso o faraó e o sumo sacerdote. Uma muralha rodeava todo o conjunto, isolando-o do exterior. Atividades No templo, o faraó e os sacerdotes rendiam culto aos deuses. Para cuidar dos deuses, os sacerdotes varriam e lavavam o santuário. A imagem da divindade era retirada e a ela se ofereciam comida e roupas; depois disso, era recolocada no lugar. Além disso, o templo era uma grande unidade econômica: controlava a atividade econômica da cidade, mobilizando grande número de funcionários e outros trabalhadores. Em seu interior, havia escolas, oficinas e armazéns. A Mumificação A preocupação com a vida após a morte constitui característica essencial da cultura egípcia antiga, e refletiu-se na adoção de práticas funerárias bastante incomuns, como a mumificação - tida como a garantia da existência eterna. Conforme demonstram claramente muitos registros, os antigos egípcios sabiam que o corpo físico jamais iria renascer. Mas as partes etéreas que formavam um ser humano, como o Ká - comumente traduzido por “espírito” - precisavam se identificar por completo com o corpo ao qual pertenciam. Logo, este deveria ser preservado. A destruição do corpo acarretava a destruição das partes espirituais e, consequentemente, a perda da vida eterna. O costume foi relacionado ao culto do deus Osíris, a divindade mais popular nos tempos faraônicos, senhor do além-túmulo. As múmias mais antigas datam do Período Pré-Dinastico, anterior a 3000 a.C.: tratam-se na verdade de corpos preservados naturalmente na areia quente e seca do deserto onde eram sepultados. A idéia de se conservar os corpos dos mortos passou a fazer parte das crenças religiosas, e então, já nas primeiras dinastias (2920-2649 a.C.) buscava-se um método artificial de preservação, porém ainda ineficaz. No Antigo Reino (2649-2152 a.C.) e no Médio Reino (2040-1783 a.C.) aprimoraram-se as técnicas. O processo mais avançado, resultando em melhor preservação, foi atingido no final do Novo Reino (1550-1070 a.C.) e durante a 21ª dinastia (1070-945 a.C.; início do chamado Terceiro Período Intermediário). A partir daí as técnicas se tornaram cada vez mais obsoletas, e no século II d.C. - já no período romano - a mumificação, embora ainda praticada, estava longe de apresentar os resultados de outrora. Nesse tempo o costume já começava a ser abandonado dado ao alastramento do Cristianismo - religião com propostas totalmente diferentes em relação à vida após a morte. Inicialmente a preservação era realizada apenas nos corpos de membros da realeza e classes mais elevadas, mas com o transcorrer da história egípcia a prática tornou-se muito mais popularizada. De qualquer forma, o processo exigia certos recursos que o limitavam aos mais abastados. Embora a prática da mumificação fosse amplamente difundida, os antigos egípcios não deixaram relatos concretos sobre ela. Não foi encontrado até hoje nenhum papiro que trouxesse orientações sobre as várias etapas do processo - para muitos egiptólogos é improvável que algum seja encontrado, ou que tenha sequer existido. Os registros iconográficos também pouco revelam: cenas em algumas tumbas tratam somente dos enfaixamentos finais do corpo, tema de que também trata um texto conhecido por “Ritual do Embalsamamento”. Isso leva a crer que os egípcios consideravam-na muito sagrada para ser documentada - seja em escritos ou em representações. O conhecimento do processo era passado em vias de tradição oral. Existe, porém, o relato de Heródoto, viajante grego que esteve no Egito no ano 450 a.C. e descreveu como era feita a mumificação no Livro II de sua obra História. Na verdade Heródoto relatou o que sacerdotes lhe informaram, não tendo efetivamente testemunhado o que escreveu. Embora a prática já estivesse em decadência naquela época e alguns detalhes apresentarem-se errôneos ou incompletos, sua descrição tem sido uma das maiores fontes para o estudo da mumificação egípcia antiga. Podemos considerar os embalsamadores, ou mumificadores, como sacerdotes-médicos. Além de detentores de amplos conhecimentos de anatomia, executavam também as cerimônias ritualísticas que deveriam acompanhar o tratamento do corpo, garantindo-lhe uma proteção espiritual. Essas cerimônias aconteciam em cada estágio do processo de mumificação. O principal sacerdote que dirigia os trabalhos de mumificação era chamado de hery-seshta, “chefe dos segredos”, e representava Anúbis, o deus-chacal da mumificação. Poderia usar uma máscara na forma da cabeça do referido animal, para assim salientar sua identificação com a divindade. Não devemos esquecer que, segundo as lendas, Anúbis mumificara o corpo de Osíris, fazendo-o ressurgir da morte. Sendo assim, a pessoa que ficasse sobre “os cuidados das mãos de Anúbis” receberia os mesmos cuidados que teriam sido dispensados a Osíris - por extensão, garantiria sua ressurreição. O primeiro estágio da mumificação era realizado no ibu-en-wab, “tenda da purificação”. Depois o corpo era levado ao wabet, “casa da purificação”, também chamado de per-nefer, “casa da regeneração” - um recinto cercado, dentro do qual erguia-se uma tenda ou barraca, onde o corpo era deitado num suporte de madeira. Tanto o ibu-en-wab quanto o wabet eram estruturas móveis, facilmente montadas e desmontadas, feitas de madeira. Em geral eram fixadas no lado oeste do Nilo, onde se situavam a maioria das necrópoles nos tempos faraônicos. Parte do trabalho era feito ao ar livre, dado aos odores provenientes dos corpos em tratamento. Processo demorado, durando cerca de 2 meses e meio, a mumificação envolvia dois procedimentos básicos: 1°) evisceração, ou retirada de órgãos - cérebro pelas narinas, vísceras por um corte no abdômen; estas últimas eram em seguida depositadas em vasos, chamados pelos egiptólogos de canópicos, que ficavam sob a proteção de divindades especiais. 2°) desidratação, ou retirada da umidade do corpo - nesse sentido, cobriam o cadáver com natrão, um composto de sódio, por pelo menos 40 dias, ao final dos quais só restavam pele, ossos e carnes endurecidas. Seguia-se, durando cerca de 2 semanas, o enfaixamento com bandagens de linho, entre as quais depositavam-se jóias e amuletos de proteção. Interessante lembrar que a palavra múmia não é egípcia. Vem do persa ou árabe mummiah, que significa betume - substância a que se atribuíam poderes curativos. A aparência escura de certos corpos embalsamados do tempo dos faraós sugestionou aos árabes a errônea concepção de que os antigos egípcios usavam betume na preservação dos cadáveres. Sendo uma substância bastante procurada devido ao seu emprego medicinal, as múmias egípcias tornaram-se na Idade Média uma fonte segura de obtenção daquele produto, movimentando um precioso comércio, envolvendo Alexandria e o Cairo aos mercadores da Europa Ocidental que vinham em busca das famosas especiarias. Isso provocou incansáveis saques aos sepulcros dos tempos faraônicos. Corpos eram retirados das antigas tumbas e divididos em pequenos pedaços, embalados para a venda como medicamento. Seja como chá ou composta em pomada, acreditava-se na época que múmia curava uma infinidade de doenças! Em egípcio antigo, a palavra que designava um corpo preservado e envolvido em bandagens era wi. A mumificação era chamada de wet - enfaixar - ou então senefer - revigorar - termo esse que deixa claro um dos propósitos da prática Apesar dessa preocupação evidente com a preservação dos corpos, os antigos egípcios, ao contrário do que comumente se pensa, jamais foram obcecados pela idéia da morte e do além-túmulo. Amavam a vida terrena acima de tudo, e achavam que nada valia em troca dela. A morte era vista como uma passagem para a outra vida, onde se levaria uma existência semelhante à da terra. Era para esta nova existência que deveria ser feita uma cuidadosa preparação - incluindo a mumificação - o que permitiria à alma um desfrute pleno e eterno da felicidade que lhe aguardava no além. A Sociedade Egípcia No Egito, a sociedade se dividia em algumas camadas, cada uma com suas funções bem definidas. Nessa sociedade, a mulher tinha grande prestígio e autoridade. O Faraó No topo da pirâmide vem o faraó, com poderes ilimitados. Isso porque ele era visto como pessoa sagrada, divina, e aceito como filho de deus ou como o próprio deus. É o que se chama de governo teocrático, isto é, governo em nome de deus. O faraó era um rei todo-poderoso, proprietário do país inteiro. Os campos, os desertos, as minas, os rios, os canais, os homens, as mulheres, o gado e todos os animais - tudo lhe pertencia. Ele era ao mesmo tempo rei, juiz, sacerdote, tesoureiro, general. Era ele que decidia e dirigia tudo, mas, não podendo estar em todos os lugares, distribuía encargos para centenas de funcionários que o auxiliavam na administração do Egito. A sagrada figura do faraó era elemento básico para a unidade de todo o Egito. O povo via no faraó a sua própria sobrevivência e a esperança de sua felicidade. Os Sacerdotes Os sacerdotes tinham enorme prestígio e poder, tanto espiritual como material, pois administravam as riquezas e os bens dos grandes e ricos templos. Eram também sábios do Egito, guardadores dos segredos das ciências e dos mistérios religiosos relacinados com seus inúmeros deuses. A Nobreza A nobreza era formada por parentes do faraó, altos funcionários e ricos senhos de terras Os Escribas Os escribas, provenientes das famílias ricas e poderosas, aprendiam a ler e a escrever e se dedicavam a registrar, documentar e contabilizar documentos e atividades da vida do Egito. Os Artesãos e Comerciantes Os artesãos trabalhavam especialmente para os reis, para a nobeza e para os templos. Faziam belas peças de adorno, utensílios, estatuetas, máscaras funerárias. Trabalhavam muito bem com madeira, cobre, bronze, ferro, ouro e marfim. Já os comerciantes se dedicavam ao comércio em nome dos reis e nobres ou em nome próprio, comprando, vendendo ou trocando produtos com outros povos, como cretenses, fenícios, povos da Somália, da Síria, da Núbia, etc. O comércio forçou a construção de grandes barcos cargueiros. Os Camponeses Os camponeses formavam a maior parte da população. Os trabalhos dos campos eram organizados e controlados pelos funcionários do faraó, pois todas as terras eram do governo. As cheias do Nilo, os trabalhos de irrigação, semeadura, colheita, armazenamento dos grãos obrigavam os camponeses a trabahos pesados e mal remunerados. O pagamento geralmente rea feito com uma pequena parte dos produtos colhidos e apenas o suficiente para sobreviverem. Viviam em cabanas humildes e vestiam-se de maneira muito simples. Os camponeses prestavam serviços também nas terras dos nobres e nos templos. O Egito era essencialmente agrícola, pois não sobrava terra e vegetação suficiente para criar muitos rebalhos. À custa da pobreza dos camponeses eram cultivados cevada, trigo, lentilhas, árvores frutíferas e videiras. Faziam pão, cerveja e vinho. O Nilo oferecia peixes em abundância. Os Escravos Os escravos eram, na maioria, capturados entre os vencidos nas guerras. Foram duramente forçados ao trabalho nas grandes construções, como as pirâmides, por exemplo.

domingo, 12 de junho de 2011

Getúlio Vargas - Simulado

-->
01. (FUVEST) As idéias integralistas, de um modo geral, podem ser definidas como
A- nacionalistas e materialistas.
B- anti-semitas e internacionalistas.
C- estatistas e pacifistas.
D- corporativistas e anticomunistas.
E -antiliberais e anticristãs.

02. (CESGRANRIO) No período que se estende da década de 30 até o pós-guerra, diversos países da América Latina passaram por transformações de suas estruturas políticas, econômicas e sociais. Como resultado dessas transformações, identificamos o surgimento de movimentos reformistas sociais e a emergência de governos populistas em diversos países latino-americanos. Assinale a opção que se relaciona corretamente com essa fase do Populismo.
A- Enfraquecimento político e social das organizações e representações sindicais e do operariado urbano.
B- Crise do Estado Oligárquico baseado nos modelos econômicos agroexportadores.
C-Monopólio dos grupos empresariais privados no processo de industrialização da América Latina.
D- Exclusão do operariado da legislação trabalhista, criada nesse período, que privilegia os segmentos médios urbanos e industriais.
E- Fortalecimento dos partidos políticos ideologicamente constituídos em oposição aos movimentos nacionalistas.

03. (FUVEST) Leia os versos da canção e responda.
“O cinema é falado”.
É o grande culpado
Da transformação
Dessa gente que sente
Que um barracão
Prende mais que um xadrez.
(...)
Amor, lá no morro, é amor pra chuchu,
As rimas do samba não são 'I love you'.
E esse negócio de 'alô, alô, boy',
Só pode ser conversa de telefone."  (Noel Rosa, Cinema Falado, 1933.)
Os versos do compositor Noel Rosa refletem uma crítica. Eles expressam
A-a ausência das inovações tecnológicas estrangeiras na difusão da cultura popular brasileira.
B-a influência do jazz norte-americano no ritmo e nas letras do samba.
C- expansão da dominação cultural norte-americana e a desvalorização da cultura popular nacional.
D -a resistência da arte popular quanto às inovações tecnológicas, especialmente o cinema falado e o radio.
E-o predomínio da música estrangeira em substituição ao samba autenticamente brasileira.

04. (PUC) O Estado Novo (1937 - 1945) marcou o longo governo de Getúlio Vargas. Sobre suas características e realizações, assinale a alternativa correta.
I. Politicamente, regeu-se pela "Carta Polaca", a constituição de 1937.
II. A liberdade de imprensa, expressão do liberalismo político, foi mantida e prestigiada.
III. Demonstrando simpatia simultânea aos norte-americanos e alemães, Vargas conseguiu obter capitais e tecnologia, implantando a Companhia Siderúrgica Nacional (Volta Redonda).
IV. Como solução dos conflitos trabalhistas, o Estado Novo prestigiou os sindicatos e os operários, que, por meio de greves, conseguiram numerosas vitórias trabalhistas.
V. Para propaganda de seu governo, Vargas utilizou o rádio, meio então moderno, e criou "A Voz do Brasil", programa obrigatório em todo o país.
Estão corretas:
A- as opções II, III, IV e V.
B- as opções III, IV e V.
C- as opções II, IV e V.
D -as opções I, III, e V.
E -apenas I e IV.

05. (FMU) O governo de Vargas, no período de 1937 a 1945, pode ser considerado como sendo
A -uma ditadura socialista.
B-um parlamentarismo democrático.
C -um presidencialismo oligárquico.
D -um presidencialismo autocrático.
E- um parlamentarismo populista.

06. (ANHEMBI-MORUMBI) As mudanças sócio-econômicas ocorridas durante a Era Vargas foram marcadas:
A- Pelo gradual declínio da burguesia industrial e pela ascensão das tradicionais oligarquias agrárias.
B -Pelo crescente predomínio do setor rural sobre os grupos urbanos.
C -Pela ascensão do agrarismo e ruralização da sociedade.
D -Pelo aumento do poder da burguesia industrial sobre as tradicionais oligarquias agrárias e pela crescente hegemonia das cidades sobre o campo.
E -Pelo fato de ter recebido substancial ajuda do governo, o setor agrícola, durante o Estado Novo, conheceu um período de crise, motivado em grande parte pelas dificuldades econômicas da conjuntura internacional.

07. (CESGRANRIO) A redemocratização do Brasil, no final do Estado Novo, pode ser associada a diferentes transformações internas e externas do período, entre as quais se inclui a(o):
A- aproximação de Getúlio Vargas aos setores liberais em torno do projeto "queremista".
B -vitória dos aliados na Segunda Guerra Mundial, fortalecendo os ideais democráticos contra os regimes totalitários.
C - recusa do governo em convocar eleições e permitir a recriação dos partidos políticos.
D - resistência do empresariado à implantação da legislação trabalhista e previdenciária.
E -apoio aos movimentos sociais inspirados no ideário nazifacista como as Uniões dos Escritores e dos Estudantes.

08. (MACKENZIE) Sobre os partidos políticos criados no final do Estado Novo e que comandaram a vida política nacional até 1964, não podemos afirmar:
A- a UDN representava classes médias e elites e, quanto mais se aproximava do fim do Populismo, mais se convertia num partido conservador, com uma parcela significativa de seus membros favorável ao golpe militar.
B- o PSD, partido varguista, tinha suas bases nas oligarquias e burocracia federal, levantando a bandeira conservadora.
C- o PTB, também varguista e apoiado por sindicatos e massas urbanas, cresceu muito durante os governos Juscelino e João Goulart, ameaçando o equilíbrio no Congresso, crescendo os temores conservadores.
D- o PCB sai da clandestinidade em 1945, mas é novamente cassado em 1947 pelo governo Dutra, em função da Guerra Fria.
E- o PDC tinha expressão nacional em razão do carisma de seu líder Adhemar de Barros.

09. (UFIS) O "movimento queremista" foi articulado por lideranças sindicais e apoiava a idéia de continuidade de Vargas no poder. Os comunistas, até então perseguidos pela ditadura varguista, apoiaram esse movimento, pois
A- julgavam que seria a melhor maneira para garantir as conquistas trabalhistas.
B- o partido estava desarticulado e sem orientação política.
C-os comunistas obtiveram junto a Vargas o direito de comandar o movimento sindical.
D -apoiavam os rumos da centralização política, esquerdizante.
E- pretendiam fazer parte de novo governo Vargas e colocar em prática as idéias comunistas para o movimento sindical.

10. (UNESP) para a grande parte da América Latina, o período que começa em 1944, 1945 ou 1946 (dependendo do país em questão) (...) caracterizou-se por três fenômenos distintos, mas inter-relacionados: democratização, tendência à esquerda e militância trabalhista [Leslie Bethel e Ian Roxborough (org.), América Latina.] O principal fator externo responsável por essa nova situação foi a
A- ação norte-americana, através do corolário Roosevelt.
B -ação dos países componentes do Eixo.
C -ação da doutrina americana do "Destino Manifesto".
D- militância das esquerdas latino-americanas.
E- vitória dos aliados na Segunda Guerra Mundial.

11- (Mackenzie-SP/2004) Getúlio Vargas pôde, em 1937, inaugurar um novo governo, conhecido como Estado Novo. Sobre esse período, é correto afirmar que:
a) era caracterizado pelo exercício da democracia e das liberdades civis, em repúdio às idéias comunistas que ameaçavam a nação, dada a intenção desses grupos revolucionários de chegar ao poder por meio de um golpe.
b) diante da ameaça comunista, o Parlamento, as Assembléias Estaduais, assim como as Câmaras Municipais, passaram a legislar e a intervir em diversos assuntos da política nacional.
c) ocorreu a imposição de uma Constituição autoritária, influenciada pelas doutrinas fascistas que vigoravam em algumas nações européias, o que representou o início de um período de ditadura.
d) dentro do novo regime, graças à subordinação das corporações sindicais ao Estado, que passou a controlar a ação dos trabalhadores, houve a conquista de direitos trabalhistas, resultado da boa vontade das elites empresariais.
e) a conjuntura econômica internacional contribuiu para a consolidação do Estado Novo, que, diante da crise que ainda persistia no setor cafeeiro, aumentou o seu papel interventor, buscando solucionar o problema das exportações nacionais.

12- (FGV-SP/2004) Em 21 de dezembro de 1941, Getúlio Vargas recebeu Osvaldo Aranha, seu ministro das Relações Exteriores, para uma reunião. Leia alguns trechos do diário do presidente: "À noite, recebi o Osvaldo. Disse-me que o governo americano não nos daria auxílio, porque não confiava em elementos do meu governo, que eu deveria substituir. Respondi que não tinha motivos para desconfiar dos meus auxiliares, que as facilidades que estávamos dando aos americanos não autorizavam essas desconfianças, e que eu não substituiria esses auxiliares por imposições estranhas."
(Vargas, Getúlio, Diário. São Paulo/Rio de Janeiro, Siciliano/Fundação Getúlio Vargas, 1995, vol. II, p. 443)
A respeito desse período, podemos afirmar:
a) As desconfianças norte-americanas eram completamente infundadas porque não havia nenhum simpatizante do nazi-fascismo entre os integrantes do governo brasileiro.
b) Com sua política pragmática, Vargas negociou vantagens econômicas com o governo americano e manteve em seu governo simpatizantes dos regimes nazi-fascistas.
c) Apesar das semelhanças entre o Estado Novo e os regimes fascistas, Vargas não permitiu nenhum tipo de relacionamento diplomático entre o Brasil e os países do Eixo.
d) No alto escalão do governo Vargas havia uma série de simpatizantes do regime comunista da União Soviética e de seu líder Joseph Stalin.
e) As pressões do governo norte-americano levaram Vargas a demitir seu ministro da Guerra, o general Eurico Gaspar Outra, admirador dos regimes nazi-fascistas.

13- Mackenzie-SP/2000) Sobre a política trabalhista do Estado Novo é correto afirmar que:
a) autorizava a greve e não se inspirava na Carta Del Lavoro, vigente na Itália fascista.
b) embora sendo reconhecidos os benefícios sociais do salário mínimo, da Justiça do Trabalho e da CLT, Vargas manipulava as lideranças sindicais e as relações com o Estado eram caracterizadas pelo paternalismo e pelo intervencionismo.
c) nesse período vigorou um sindicalismo autêntico, livre da figura do “pelego” ou líder sindical manipulado pelo Estado.
d) a criação do imposto sindical trouxe enormes vantagens sociais, não representando um instrumento de subordinação ao Estado.
e) Vargas procurou manter uma postura liberal, não interferindo nas relações capital e trabalho.


14- (UECE-CE/2001) São características da legislação trabalhista estabelecida no período Vargas:
a) A instituição do imposto sindical e a universalização dos direitos trabalhistas e políticos aos trabalhadores urbanos e rurais.
b) O enquadramento dos sindicatos e a concessão de direitos sociais aos trabalhadores urbanos.
c) A incorporação dos trabalhadores rurais à legislação do trabalho e a plena liberdade sindical.
d) O controle dos sindicatos de trabalhadores e o fim dos direitos sociais, como as férias anuais remuneradas.

15- (Unisal-SP/2002)
Foi o chefe mais amado da nação
Desde o sucesso da revolução
Liderando os liberais
Foi o pai dos mais humildes brasileiros
Lutando contra grupos financeiros
E altos interesses internacionais
Deu início a um tempo de transformações
Guiado pelo anseio de justiça
E de liberdade social
E depois de compelido a se afastar
Voltou pelos braços do povo
Em campanha triunfal
Abram alas que Gegê vai passar
Olha a evolução da história
Abram alas pra Gegê desfilar
Na memória popular
O trecho acima, retirado da música Dr. Getúlio, de Chico Buarque, mostra uma imagem positiva criada em torno de Getúlio Vargas. Assinale a alternativa que apresenta uma explicação possível para tal mitificação.
a) A intensa repressão à Revolução Constitucionalista de 1932 proporcionou um amplo apoio da população paulista ao presidente Getúlio Vargas.
b) A venda de empresas estatais, como a Petrobras e a Companhia Siderúrgica Nacional, para grupos estrangeiros aumentou o poderio econômico da maior parte da população brasileira, elevando o índice de popularidade de Getúlio Vargas.
c) As diversas leis trabalhistas, como o salário mínimo e a regulamentação da jornada de trabalho, implantadas durante o governo de Getúlio Vargas, angariaram um vasto apoio popular ao presidente.
d) A aproximação de Getúlio Vargas à Ação Integralista Brasileira (AIB) ocasionou manifestações de apoio de várias camadas da população brasileira, especialmente do movimento operário, ligado ao comunismo.
e) A censura e a repressão, instalados durante o período do Estado Novo, principalmente através do Departamento de Imprensa e Propaganda e do Departamento de Ordem Política e Social, levaram o presidente a gozar de um imenso prestígio junto às classes populares.

16-
(Unirio-RJ/2000)  
(Schwarcz, Lília Moritz. As Barbas do Imperador. D. Pedro II: Um Monarca nos Trópicos. São Paulo, Cia das Letras, 1998 p. 322)
Na casa do beato Pedro Batista em Santa Brígida, na Bahia, D. Pedro II divide um espaço na parede com Getúlio Vargas. Este exemplo caracteriza um tipo de idealização da figura de mitos que ficaram sedimentados na memória popular. Podemos afirmar que Getúlio Vargas potencializou uma imagem de "pai dos pobres", em grande parte devido às(aos):
a) medidas de caráter populista, atraindo as massas trabalhadoras.
b) medidas revolucionárias introduzidas com a reforma agrária.
c) restrições econômicas impostas aos industriais brasileiros.
d) restrições rígidas impostas à burguesia nacional e internacional.
e) discursos ufanistas disseminados entre os camponeses brasileiros.

17- (Unisal-SP/2003) “Um urubu pousou no ombro da Petrobras e nada consegue espantá-lo. Nos últimos quinze meses, a empresa viu-se envolvida em 95 acidentes, nos quais morreram dezoito pessoas. Como se não bastasse, desde o ano passado seus dutos foram responsáveis por quatro vazamentos gigantes, que despejaram 5,5 milhões de litros de óleo por lagoas, rios e baías. Na semana passada, essa onda de tragédias culminou com três explosões, que mataram dez pessoas, deixaram uma ferida gravemente e desativaram a maior plataforma do mundo em capacidade de produção de petróleo – a P-36, instalada na Bacia de Campos. As duas e meia da madrugada, a monumental construção, equivalente a um prédio de quarenta andares e à largura de um quarteirão, começou a adernar.” (Revista Veja, Desastre em alto-mar, 21/3/2002)

O acidente com a plataforma P-36 em março de 2002 adiou a intenção do Brasil de conseguir atingir a auto-suficiência de petróleo, anteriormente planejada para ocorrer até 2005. Tal meta iniciou-se com a criação da Petrobras, ocorrida durante o:
a) Estado Novo, servindo como propaganda ideológica para o regime totalitário de Getúlio Vargas.
b) governo de Eurico Gaspar Dutra, cujo Plano Salte previa o investimento de recursos públicos para a o setor energético.
c) governo Juscelino Kubtischek, como resposta à necessidade da recém-criada indústria automobilística.
d) governo provisório de Getúlio Vargas, através de um acordo bilateral entre Estados Unidos e Brasil, proposto como garantia da posição brasileira contra o nazismo.
e) segundo governo de Getúlio Vargas, confirmando, através da criação da estatal, uma política de desenvolvimento econômico nacionalista

18-(Mackenzie-SP/2004) Durante o governo de Getúlio Vargas (1951-1954), a política econômica era marcadamente nacionalista. A adoção de uma política voltada para os interesses da nação determinou:
a) o choque com os interesses imperialistas, principalmente o norte-americano, já que os países capitalistas, durante a Guerra Fria, se agrupavam sob a direção e de acordo com os interesses dos Estados Unidos.
b) o estremecimento das relações entre Vargas e os EUA. Mas o presidente norte-americano, Eisenhower, viu-se impossibilitado de não conceder os empréstimos prometidos, para não perder um aliado na América.
c) a falência dos projetos ligados à criação de empresas estatais, que monopolizariam setores importantes da nossa economia, dada a falta de capital estrangeiro.
d) o afastamento, do governo, do movimento trabalhista, que criava obstáculos para a implantação do programa econômico.
e) a retomada de uma campanha liderada pelo próprio presidente, que denunciava a remessa de lucros para o exterior por parte das empresas nacionais.

19- (Unesp-SP/2002) O segundo governo de Getúlio Vargas (1951-1954) terminou com o suicídio do presidente. Contribuiu para a crise política desse governo:
a) o fechamento do Congresso, que acabou por unir, numa frente ampla, os defensores dos ideais democráticos.
b) o apoio do presidente aos políticos da UDN (União Democrática Nacional), favoráveis à organização de um golpe para mantê-lo no poder.
c) a política econômica adotada, de cunho nacionalista, da qual um dos marcos foi a criação da Petrobras, em 1953.
d) a série de convulsões sociais provocadas pela inflação, com movimentos grevistas organizados pelo Partido Comunista, então na legalidade.
e) a ruptura entre civis e militares, que culminou com o assassinato do político e jornalista Carlos Lacerda.


Questão 1: (d).
   Questão 2: (b).
   Questão 3: (c).
   Questão 4: (e).
   Questão 5: (d).
   Questão 6: (d).
   Questão 7: (b).
   Questão 8: (e).
   Questão 9: (a).
   Questão 10: (e).
    Questão 11: c
    Questão 12: B
Questão 13: b
Questão 14: B
Questão 15: C
Questão 16: A
Questão 17: E
Questão 18: A
Questão 19: C