Ocorreu um erro neste gadget

quinta-feira, 24 de novembro de 2011

Brasil colônia: Simulado

01. "No sigilo das grossas portas fechadas nascia o ideário de liberdade dos inconfidentes - utopia prudente de poetas e do clero que trouxeram Virgílio para a colônia, ousaram saltar as fronteiras do isolacionismo cultural e político e criaram uma atmosfera carregada de pontos em suspensão, a reproduzir a vitória na derrota, a sobrevivência na morte, a tradição na ruptura."
(Maria Arminda do Nascimento Arruda, A mitologia da mineiridade, Editora Brasiliense, São Paulo)
A Inconfidência Mineira, segundo a própria autora, revela a antinomia entre liberdade e ponderação presente no primeiro movimento emancipacionista ocorrido no Brasil Colônia. Sobre a Inconfidência de 1789, responda:
a) Quais suas principais características?
b) Em que quadro histórico e ideológico ela deve ser inserida?


02. (FATEC) A Conjura Baiana de 1798, conhecida também por Revolução dos Alfaiates, foi a mais popular rebelião do período colonial, entre outros motivos, por propor:
a) a emancipação de Portugal, a instauração de uma Monarquia Constitucional e a manutenção do pacto colonial;
b) a emancipação de Portugal, a instauração de uma Monarquia Constitucional, a continuidade da escravidão e a liberdade de comércio;
c) a emancipação de Portugal, a instauração de uma República, a continuidade da escravidão e a manutenção das restrições ao comércio;
d) a emancipação de Portugal, a instauração de uma República, o fim da escravidão e a liberdade de comérci
e) a emancipação de Portugal, a manutenção do Pacto Colonial, o fim da escravidão e a formação de um exército luso-brasileiro.

03. (UCSAL) A Independência dos Estados Unidos, em 1776:
a) foi uma Revolução política e, sobretudo, social, pois marcou a libertação dos negros;
b) favoreceu os índios e as mulheres que passaram a desfrutar, na prática, dos mesmos direitos que os proprietários burgueses;
c) foi resultado de um longo processo impulsionado pelo agrarismo e pelo escravismo;
d) significou a liberdade para toda a população, embora a nova constituição restringisse os direitos dos imigrantes, pois estabelecia o voto censitário;
e) processou-se através da primeira Revolução que acabou com a dominação colonial da América.


04."Do Caeté a Vila Rica, Mas o homem que vão levando
tudo ouro e cobre! é quase só pensamento:
O que é nosso vão levando...
E o povo aqui sempre pobre! - Minas da minha esperança
Minas do meu desespero
Noite escura. Duros passos. Agarram-me os soldados,
Já se sabe quem foi preso. como qualquer bandoleiro
Ninguém dorme. Todos falam,
todos se benzem de medo. Vim trabalhar para todos,
Passos da escolta nas ruas e abandonado me vejo.
- que grandes passos, no Tempo Todos tremem. Todos fogem.
A quem dediquei meu zelo?"
(Cecília Meireles, O Romanceiro da Inconfidência)

Com grande sensibilidade Cecília Meireles recupera aspectos importantes da Conjuração Mineira que:
a) teve a participação exclusiva das camadas médias e pobres da população das Gerais;
b) eclodiu quando aumentaram a produção e a exportação dos metais preciosos;
c) terminou com onze dos conspiradores condenados à pena de morte, pena esta fielmente cumprida;
d) falhou na organização da defesa militar, sendo suas tropas logo derrotadas pelas forças legalistas, o que gerou um clima de pânico em Vila Rica;
e) teve seus participantes punidos de forma diversa, segundo a situação socioeconômica de cada um deles.

05. Não podemos considerar como fator da Crise do Antigo Sistema Colonial:
a) a Revolução Industrial
b) o Iluminismo
c) a Independência dos EUA
d) a Revolução Francesa
e) o apogeu do Antigo Regime


06. Entre as propostas da Inconfidência Mineira, podemos citar:
a) a abolição da escravidão no Brasil, mediante a indenização dos proprietários;
b) a mudança da sede do Governo Brasileiro da província da Bahia para Minas Gerais;
c) a restrição da produção manufatureira, que impedia a concentração de recursos nas atividades manufatureiras;
d) o término das concessões especiais à Inglaterra, firmado no Tratado de Comércio e Amizade;
e) a independência do Brasil e o estabelecimento de um governo republicano.

07. (UNIFENAS) O ideário político de conteúdo liberal da Inconfidência Mineira apresentava algumas contradições, dentre elas:
a) manutenção do regime de trabalho escravo;
b) adoção de um regime político republicano;
c) estabelecimento de uma Universidade em Vila Rica;
d) separação e independência dos poderes executivo, legislativo e judiciário;
e) manutenção dos antigos privilégios concedidos às companhias de comércio.

08. (FGV) Sobre a Inconfidência Mineira é correto afirmar:
a) Foi um movimento que contou com uma ampla participação de homens livres não-proprietários e até mesmo de muitos escravos negros.
b) O clero de Minas Gerais não teve nenhuma participação na conspiração, que tinha uma forte conotação anti-eclesiástica;
c) Entre os planos unanimemente aprovados pelos conspiradores de Minas estava a abolição da escravatura;
d) Entre os fatores que influenciaram os "inconfidentes" estavam as "idéias francesas" (o Iluminismo, o Enciclopedismo) e a "justificação pelo exemplo", da Independência Norte-Americana.
e) Os "inconfidentes" jamais pensaram seriamente em proclamar a Independência do Brasil em relação a Portugal, pretendendo apenas forçar a Coroa a suspender a cobrança da "derrama".

09. (UNIFENAS) Falso ou Verdadeiro?
I. A Conjuração Baiana teve como inspiração as idéias liberais e teve participação popular.
II. A Inconfidência Mineira foi idealizada por uma elite e obteve o respaldo popular, com exceção dos trabalhadores escravos.
III. Ideal de libertação nacional, influência das idéias iluministas, apoio popular e forte repressão militar caracterizaram os movimentos de independência conhecidos como Inconfidência Mineira e Conjuração Baiana.
As afirmações acima são, respectivamente:
a) F V F
b) V F F
c) V V V
d) F F F
e) V F V

10. (FUVEST) A Inconfidência Mineira, no plano das idéias, foi inspirada:
a) nas reivindicações das camadas menos favorecidas da colônia;
b) no pensamento liberal dos filósofos da ilustração européia;
c) nos princípios do socialismo utópico de Saint-Simon;
d) nas idéias absolutistas defendidas pelos pensadores iluministas;
e) nas fórmulas políticas desenvolvidas pelos comerciantes do rio de Janeiro.


Resolução:

01. a) Movimento de letrados, limitado a uma elite urbana. A Inconfidência de Minas não contou com o apoio dos setores populares e se omitiu com relação à abolição da escravidão.

b) No quadro das Revoluções Liberais burguesas que assinalam a crise do Antigo Regime, marcado pela difusão do Iluminismo.
02. D 03. E 04. E 05. E
06. E 07. A 08. D 09. B
10. B

terça-feira, 22 de novembro de 2011

Quilombos e Quilombolas

História dos quilombos

No período de escravidão no Brasil (séculos XVII e XVIII), os negros que conseguiam fugir se refugiavam com outros em igual situação em locais bem escondidos e fortificados no meio das matas. Estes locais eram conhecidos como quilombos. Nestas comunidades, eles viviam de acordo com sua cultura africana, plantando e produzindo em comunidade. Na época colonial, o Brasil chegou a ter centenas destas comunidades espalhadas, principalmente, pelos atuais estados da Bahia, Pernambuco, Goiás, Mato Grosso, Minas Gerais e Alagoas.
Na ocasião em que Pernambuco foi invadida pelos holandeses (1630), muitos dos senhores de engenho acabaram por abandonar suas terras. Este fato beneficiou a fuga de um grande número de escravos. Estes, após fugirem, buscaram abrigo no Quilombo dos Palmares, localizado em Alagoas.
Esse fato propiciou o crescimento do Quilombo dos Palmares. No ano de 1670, este já abrigava em torno de 50 mil escravos. Estes, também conhecidos como quilombolas, costumavam pegar alimentos às escondidas das plantações e dos engenhos existentes em regiões próximas; situação que incomodava os habitantes.
Esta situação fez com que os quilombolas fossem combatidos tanto pelos holandeses (primeiros a combatê-los) quanto pelo governo de Pernambuco, sendo que este último contou com os ser­viços do bandeirante Domingos Jorge Velho.
A luta contra os negros de Palmares durou por volta de cinco anos; contudo, apesar de todo o empenho e determinação dos negros chefiados por Zumbi, eles, por fim, foram derrotados.
Os quilombos representaram uma das formas de resistência e combate à escravidão. Rejeitando a cruel forma de vida, os negros buscavam a liberdade e uma vida com dignidade, resgatando a cultura e a forma de viver que deixaram na África e contribuindo para a formação da cultura afro-brasileira.

Comunidades quilombolas na atualidade

Muitos quilombos, por estarem em locais afastados, permaneceram ativos mesmo após a abolição da escravatura. Eles deram origens às atuais comunidades quilombolas. Existem atualmente cerca de 1.100 comunidades quilombolas certificadas pela Fundação Palmares. Grande parte destas comunidades está situada em estados das regiões Norte e Nordeste.

Dia da consciência Negra

Zumbi de Palmares

Esta data foi estabelecida pelo projeto lei número 10.639, no dia 9 de janeiro de 2003. Foi escolhida a data de 20 de novembro, pois foi neste dia, no ano de 1695, que morreu Zumbi, líder do Quilombo dos Palmares.

Dia da Consciência Negra
A homenagem a Zumbi foi mais do que justa, pois este personagem histórico representou a luta do negro contra a escravidão, no período do Brasil Colonial. Ele morreu em combate, defendendo seu povo e sua comunidade. Os quilombos representavam uma resistência ao sistema escravista e também um forma coletiva de manutenção da cultura africana aqui no Brasil. Zumbi lutou até a morte por esta cultura e pela liberdade do seu povo.

Importância da Data

A criação desta data foi importante, pois serve como um momento de conscientização e reflexão sobre a importância da cultura e do povo africano na formação da cultura nacional. Os negros africanos colaboraram muito, durante nossa história, nos aspectos políticos, sociais, gastronômicos e religiosos de nosso país. É um dia que devemos comemorar nas escolas, nos espaços culturais e em outros locais, valorizando a cultura afro-brasileira.
A abolição da escravatura, de forma oficial, só veio em 1888. Porém, os negros sempre resistiram e lutaram contra a opressão e as injustiças advindas da escravidão.
Vale dizer também que sempre ocorreu uma valorização dos personagens históricos de cor branca. Como se a história do Brasil tivesse sido construída somente pelos europeus e seus descendentes. Imperadores, navegadores, bandeirantes, líderes militares entre outros foram sempre considerados hérois nacionais. Agora temos a valorização de um líder negro em nossa história e, esperamos, que em breve outros personagens históricos de origem africana sejam valorizados por nosso povo e por nossa história. Passos importantes estão sendo tomados neste sentido, pois nas escolas brasileiras já é obrigatória a inclusão de disciplinas e conteúdos que visam estudar a história da África e a cultura afro-brasileira.