Pensando na Vida

segunda-feira, 26 de setembro de 2011

PRESIDENTES DO BRASIL : Período repúblicano

MANUEL DEODORO DA FONSECA ( Deodoro da Fonseca ) – 1889 – 1891: A 15 de novembro de 1889, chefiou o movimento que depôs o último gabinete da monarquia presidido pelo Visconde de Ouro Preto, proclamando a República. Nos mesmo dia foi aclamado chefe do Governo Provisório e como tal conseguiu a adesão de todos os Estados para os quais nomeou governadores; estabeleceu a separação da Igreja do Estado, o casamento civil, promulgou o novo Código Penal e aprovou a nova bandeira da País. Convocou a Assembléia Constituinte que aprovou a Primeira Constituição Republicana em 24 de fevereiro de 1891. Eleito pela Assembléia, assumiu a Presidência da República. Entretanto em conflito com o Poder Legislativo, dissolveu o Congresso Nacional, o que provocou reação por parte da Marinha, comandada pelo Almirante Custódio de Melo. Preferiu renunciar a enfrentar uma guerra civil, passando o poder ao vice-presidente, com ele eleito pela Constituinte, Marechal Floriano Peixoto. Faleceu no Rio de Janeiro a 23 de Agosto de 1892.
FLORIANO VIEIRA PEIXOTO (Floriano Peixoto ) 1891 – 1894: Foi presidente da Província de Mato Grasso e ocupou o cargo de ajudante-general do Exército. Com a renúncia de Deodoro, assumiu a chefia do Governo e exerceu-o até 15 de novembro de 1894. Durante seu governo eclodiram duas revoluções: a Federalista, no Rio Grande do Sul, e a da Armada, no Rio de Janeiro, chefiada pelo Almirante Saldanha da Gama. Floriano reconvocou o Congresso e resistiu aos 2 movimentos revolucionários, despertando forte movimento nacionalista, sendo cognominado, por isso, Marechal de Ferro, e Consolidor da República. Enfrentou grande oposição parlamentar e foi implacável em relação aos oficiais que representaram contra sua permanência no Governo. Era membro do Supremo Tribunal Militar. Faleceu em Cambuquira, Minas Gerais, a 29 de julho de 1895. É até hoje venerado como defensor do espírito republicano, tendo rompido relações com Portugal por terem os navios dessa nação dado asilo aos oficiais da marinha rebeldes.
PRUDENTE JOSÉ DE MORAIS BARROS ( Prudente de Morais ) 1894 – 1898: Foi eleito deputado à Assembléia Provincial, primeiro pelo Partido Liberal e, depois, pelo Partido Republicano. Em 1885 elegeu-se para a Câmara dos Deputados. Integrou a Assembléia Constituinte Republicana como senador, sendo eleito para presidi-la. Concorreu com o Marechal Deodoro à Presidência da República. Em 1894, foi escolhido Presidente da República, em eleição direta, tomando posse a 15 de novembro. Restabeleceu relações com Portugal e resolveu pacificamente o conflito com a Inglaterra que ocupava nossa Ilha Trindade. Sob seu governo foi o Brasil vitorioso por arbitragem dos Estados Unidos, na questão de limites com a Argentina, conhecida como Questão das Missões. Também firmou-se com a França um tratado para resolver a Questão do Amapá, com arbitragem da Suíça. Em virtude de doença, passou o exercício do governo ao vice-presidente Manuel Vitorino Pereira, de 10 de novembro de 1894 a 5 de março seguinte. Sofreu um atentado por um soldado fanático a 5 de novembro de 1897, no qual tombou mortalmente o Ministro da Guerra, Marechal Machado Bittencourt, que defendeu o presidente. No seu governo iniciou-se o conflito de Canudos. Faleceu em 1902.
MANUEL FERRAZ DE CAMPOS SALES ( Campos Sales ) 1898 – 1902: Foi eleito deputado geral em 1885. Proclamada a República, foi Ministro da Justiço da Governo Provisório. Senador na Constituinte de 1890, interrompeu o mandato por Ter sido eleito presidente do Estado de São Paulo. Eleito Presidente da República, de 15 de novembro de 1898 à 15 de novembro de 1902, visitou a Argentina em caráter oficial, passando o exército do Governo a Francisco de Assis Rosa e Silva de 19 de outubro a 08 de novembro de 1900. O seu governo caracterizou-se pela atenção dada à situação financeira do País. Antes de assumir o Governo, visitou a Europa, onde entrou em entendimento com os credores, estabelecendo uma severa política fiscal a cargo do Ministro da Fazenda Joaquim Murtinho. Para fortalecer o Governo estabeleceu a chamada "política dos governadores", pela qual as bancadas dos Estados prestigiadas pelos chefes das unidades teriam o reconhecimento assegurado em troca de apoio que dariam ao Governo Federal. A severidade na cobrança dos impostos diminuiu-lhe a popularidade, mas, ao deixar o Governo, as finanças se encontravam em boas situações. Em 1906, voltou a ocupara a cadeira de senador por São Paulo. Faleceu a 28 de junho de 1913.
FRANCISCO DE PAULA RODRIGUES ALVES ( Rodrigues Alves ) 1902 – 1906: Foi presidente da Província de São Paulo em 1887, recebendo o título de Conselheiro. Aderindo a República, foi deputado à Constituinte em 1890. Em 1891 foi nomeado a Ministro da Fazenda sob o Governo de Marechal Floriano. Em 1893 foi eleito senador por seu Estado, renunciando em 1894, para ocupar a pasta da Fazenda no Governo Prudente de Morais. Foi o negociador da consolidação dos empréstimos externos ( funding-loan ) com os banqueiros ingleses Rothschild. Foi eleito presidente de São Paulo em 1900 e presidente da República em 1902. Governou o País de 15 de novembro de 1902 a 15 de novembro de 1906. Durante o seu mandato realizou-se a reforma urbana do rio de Janeiro sob os planos do Engenheiro Pereira Passos e o saneamento da cidade, extinguiu-se a febre amarela pela ação do higienista Osvaldo Cruz. Sua administração financeira foi das mais bem-sucedidas. Deixou a Presidência com grande prestígio, sendo chamado "O Grande Presidente". Em 1912, foi novamente eleito Presidente de São Paulo. Em 1916, voltou a ocupar uma cadeira no Senado Federal, representando seu Estado. Em 1919, único exemplo da nossa história, foi eleito Presidente da República, não se empossando por motivo de doença. Faleceu no Rio de Janeiro em 16 de janeiro de 1919, estando no exercício do cargo o vice-presidente Delfim Moreira.
AFONSO AUGUSTO MOREIRA PENA ( Afonso Pena ) 1906 – 1909: Foi deputado provincial e geral pelo Partido Liberal e ministro de várias pasta durante a Monarquia, recebendo o título de Conselheiro. Aceitando a República, foi constituinte do Estado de Minas Gerais e, em seguida, seu presidente. Durante o governo de Rodrigues Alves, presidiu o Banco do Brasil, e ocupou a vice-presidência da República. Foi eleito presidente a 01 de março de 1906. Suas principais obras foram: representação do Brasil na Conferencia de Haia; construção de mais de 4 mil Km de ferrovias; incentivo à indústria e o povoamento do solo. Com a morte do governador de Minas, João Pinheiro, seu sucessor natural, criou-se um impasse político. Afonso Pena tentou lançar o nome de seu Ministro David Campista, ao qual se contrapôs o nome do Ministro da Guerra, Marechal Hermes da Fonseca. Em meio à crise sucessória, Afonso Pena faleceu, no Palácio do Catete, a 14 de junho de 1909.
NILO PROCÓPIO PEÇANHA ( Nilo Peçanha ) 1909 – 1910: Participou das campanhas abolicionista e republicana, iniciando sua vida política em 1890 ao ser eleito a Assembléia Constituinte. Em 1903 foi sucessivamente senador e presidente do Estado do Rio, permanecendo neste cargo até 1906 quando foi eleito, na chapa de Afonso Pena, vice-presidente da República. Em 1909, com a morte de Afonso Pena, assumiu a Presidência. Embora curto, o seu governo foi marcado pela agitação política em razão a suas divergências com Pinheiro Machado, líder do Partido Republicano Conservador. Em conseqüência da campanha civilista, tornaram-se mais agudos os conflitos entre as oligarquias estaduais, sobretudo de Minas Gerais e São Paulo. Nilo Peçanha criou o Ministério da Agricultura, Comércio e Indústria, Serviço de Proteção ao Índio e inaugurou no Brasil e ensino técnico profissional. Ao fim de seu mandato, voltou ao Senado e dois anos mais tarde foi eleito a presidência do Estado, cargo que renunciou em 1917 para assumir a pasta das Relações Exteriores. Eleito novamente senador em 1918, encabeçou em 1921 a chapa de Movimento Reação Republicana, que tinha por objetivo contrapor o liberalismo político contra a política vigente das oligarquias estaduais. Morreu em 1924 no Rio de Janeiro afastado da vida política.
Hermes Rodrigues da Fonseca ( Hermes da Fonseca ) 1910 – 1914: Em 1889, Hermes da Fonseca participou da Revolta Republicana com Marechal Deodoro. De quem foi ajudante – de – campo e secretário militar. Dirigiu o Arsenal da Guerra da Bahia, fundou e dirigiu a Escola dos Sargentos, durante o governo de Floriano Peixoto. A 15 de novembro de 1910 venceu a campanha civilista que apoiava Rui Barbosa e assumiu a Presidência da República. Logo após sua posse várias revoltas eclodiram e foram combatidas pelas tropas governamentais. Ainda durante o seu governo iniciou-se a política de "salvações iniciais", sério de intervenções militares nos Estados, visitando ao expurgo de elementos da oposição, cujo prestígio combatia com a autoridade da Presidência. Depois de deixar a Presidência, foi eleito senador pelo Parido Republicano Conservador ( PRC ), mais não assumiu. Em 1922 envolveu-se na Revolta do Forte de Copacabana, sendo preso por seis meses, ao fim dos quais retirou-se para Petrópolis, onde morreu em 9 de setembro de 1923.
Venceslau Brás Pereira Gomes ( Venceslau Brás ) 1914 – 1918: Mineiro, vice-presidente de Hermes da Fonseca. Sua carreira política foi rápida e intensa: deputado estadual de 1892 a 1898; secretário do Interior do governo de Minas Gerais de 1898 a 1902; deputado federal de 1903 a 1908 e Presidente do Estado de Minas Gerais de 1909 a 1910, completando o mandato do falecido João Pinheiro. Candidato único à eleição. Governou durante toda a Primeira Guerra Mundial. Os conflitos estaduais se seguiram. Enfrentou a Campanha do Contestado no Paraná. Terminado o mandato, retirou-se da vida pública e faleceu a 15 de maio de 1966 em Itajubá, Minas Gerais.
Delfim Moreira da Costa Ribeiro ( Delfim Moreira ) 1918 – 1919: Pertencente à geração de republicanos históricos mineiros, foi deputado estadual de 194 a 1902, sendo nomeado secretário do Interior de Minas Gerais pelo Governador Francisco Sales, permanecendo no cargo de 1902 a 1906. No ano seguinte foi eleito senador estadual e, em 1909, deputado federal, cargo a que renunciou um ano depois, quando foi novamente nomeado Secretário do Interior de Minas Gerais. Presidente deste Estado em 1914, ocupou o cargo até 1918, quando foi eleito vice-presidente na capa de Rodrigues Alves. Como o presidente eleito não pudesse assumir, Delfim Moreira foi empossado e manteve o ministério que Rodrigues Alves nomeara. Seu estado de saúde, com tudo também, não era bom, e foi Afrânio de Melo Franco, ministro da Viação, quem assumiu temporariamente os encargos do Governo. Após o falecimento de Rodrigues Alves, Delfim Moreira assumiu a Presidência. No seu governo, o Brasil se fez representar na Conferência de Paz, em Paris, pelo senador Epitácio Pessoa, eleito Presidente da República a 13 de maio, em disputa como candidato da oposição, Rui Barbosa. Logo após a volta do novo presidente do exterior, Delfim Moreira passou-lhe o cargo em 28 de julho de 1919, voltado à vice-presidência. Morreu em 1 de julho de 1920.
Epitácio Lidolfo da Silva Pessoa ( Epitácio Pessoa ) 1919 – 1922: .Foi eleito Presidente da República, tomando posse em 28 de julho de 1919, em substituição de Rodrigues Alves, que falecera antes de tomar posse. Ao deixar a Presidência da República, foi eleito Ministro da Corte Permanente da Justiça Internacional do Haia, mandato que exerceu até novembro de 1930. Seus principais atos como Presidente da República foram: a construção de açudes no nordeste; a criação da Universidade do Rio de Janeiro – a primeira do Brasil; a comemoração do primeiro Centenário da Independência, e a inauguração da primeira estação de rádio. Durante seu mandato o País sofreu grave crise econômico-financeira, sendo contratado um empréstimo com a Inglaterra para fazer frente a uma terceira valorização do café. A sua administração foi marcada por greves e agitações políticas, como a da Bahia, Maranhão e Pernambuco – A que respondeu com intervenção federal. A nomeação de ministros civis para as pasta militares deu inicio a uma crescente insatisfação que culminou com o fechamento do Clube Militar e a prisão de seu presidente, o Marechal Hermes da Fonseca. O levante do Forte de Copacabana, em 5 de julho de 1922, da Escola Militar do Rio de Janeiro, e da guarnição de Mato Grasso, foi declarado estado se sítio por 30 dias, prorrogado, sucessivamente, até 1926, faleceu em 13 de fevereiro de 1942.
Artur da Silva Bernardes ( Artur Bernardes ) 1922 – 1926: Em 15 de novembro de 1922, Artur Bernardes foi eleito com o apoio de São Paulo e Minas para a Presidência da República depois de acirrada campanha, cujo candidato oposicionista era Nilo Peçanha, que contava com o apoio da "Reação Republicana", formada pelos estados da Bahia, Pernambuco, Rio de Janeiro e o Partido Republicano do Rio Grande do Sul. O governo de Artur Bernardes foi marcado por vários movimentos revoltosos, como: a Revolta no Rio Grande do Sul contra a continuidade de Borges de Medeiros no Governo do Estado; a Revolta em São Paulo, chefiada por Isidoro Dias Lopes e promovida pelos "Tenentes"; a coluna Prestes – Miguel Costa – União das Duas Colunas Revolucionárias de Paulistas e Gaúchos; o Motim de Couraçado São Paulo, que ameaçava bombardear o Palácio do Catete. Enfrentou a Revolta do Forte de Copacabana, conseqüência direta dos problemas com os militares. Teve início o movimento Tenentista. No final de seu mandato, em 1926, o Presidente conseguiu fortalecer o Poder Executivo através de uma reforma na Constituição de 1891.Governou sob Estado de Sítio durante 44 meses. Faleceu no Rio de Janeiro em 23 de março de 1955
Washington Luís Pereira de Souza ( Washington Luís ) 1926 – 1930: Libertou presos políticos e diminuiu a censura à imprensa. Suspendeu o Estado de Sítio. Propagou um discurso anticomunista. A Quebra da Bolsa de Nova York, em 1929, levou à baixo todos os seus projetos econômicos. O preço do café desabou, levando a uma crise séria. Lançou Júlio Prestes, paulista, para sua sucessão, quebrando a ordem do Café com Leite. Não terminou seu mandato, sendo deposto por Getúlio Vargas, que liderou a Revolução de 30. Faleceu em São Paulo a 4 de agosto de 1957.
República Nova
Getúlio Dornelles Vargas ( Getúlio Vargas ) 1930 – 1945: Chefe do Governo Provisório organizado logo após a vitória da Revolução de 1930, até 1934, quando foi eleito presidente da República pela Assembléia Constituinte. Durante o Governo Provisório, o Código Eleitoral estabeleceu o voto secreto, a Segunda Constituição Republicana, que, entre outras determinações, instituiu o salário mínimo e a Justiça do Trabalho. Sob o pretexto de um golpe comunista ( Plano Cohen ), em 1937, Vargas dissolveu o Congresso e os partidos políticos. Estabelecido o Estado Novo com o golpe, outorgou a Carta de 1937, que fortaleceu o poder executivo. A economia brasileira foi dirigida no sentido de atender aos interesses nacionais, com ênfase na diversificação agrícola e no desenvolvimento industrial. Datam desse período a criação do Conselho Nacional do Petróleo, o planejamento da Hidrelétrica de São Francisco, a Companhia Siderúrgica Nacional, em Volta Redonda. Devido a Consolidação das Leis do Trabalho e à valorização dos Institutos de Previdência Social. Vargas tornou-se o líder dos trabalhadores. O fim da guerra ( 1939 – 1945 ) e a articulação liberal exigiam a redemocratização do País. No início de 1945, pelo Ato Adicional e outras medidas. Vargas autorizou eleições para presidente e para uma Assembléia Constituinte. Decrescentes, as Forças Armadas forçaram a sua renúncia em 29 de outubro de 1945.
Eurico Gaspar Dutra ( Eurico Dutra ) 1946 – 1951: A promulgação da Quarta Constituição republicana ( 18 de setembro do mesmo ano ) foi o fato mais relevante do seu governo. A Carta estabeleceu a responsabilidade do Presidennte e de seus ministros de Estados perante o Congresso e assegurou aos cidadãos os direitos do liberalismo político além de manter os direitos adquiridos, anteriormente, pelos trabalhadores. Em seu governo foram construídas a rodovia Rio – São Paulo ( Via Dutra ) e a Companhia Hidrelétrica de São Francisco. As revelações diplomáticas com a URSS foram cortadas e foram caçados os direitos do Partido Comunista Brasileiro ( PCB ) . Faleceu no Rio de Janeiro em 11 de junho de 1974.
Getúlio Dornelles Vargas ( Getúlio Vargas ) 1951 – 1954: Após a sua renúncia em 1945, Vargas foi eleito senador ao mesmo tempo por São Paulo e por Rio Grande do Sul e a deputado federal por seis Estados. Em 1950, concorreu à Presidência da República, tendo como candidato a vice João Café Filho. Eleito com 48.7% dos votos, tomou posse em 31 de janeiro de 1951. Durante o seu governo foi criada a Petrobrás. Diante da agitação política e de um atentado ao líder da oposição e jornalista Carlos Lacerda, Vargas sofreu pressões de vários segmentos para renunciar, terminando por suicidar-se em 24 de agosto de 1954, no Palácio do Catete.
João Café Filho ( Café Filho ) 1954 – 1955: Eleito deputado federal em 1934 e em 1945, foi, na Câmara, um dos mais destacados parlamentares, participando ativamente da vida política nacional. Como resultado de uma coalizão política, foi indicado pelo PSP candidato a vice-presidente na chapa de Getúlio Vargas. Após a morte de Vargas, o vice-presidente assumiu. Facilitou ainda mais a penetração do capital externo, o que descontentou os nacionalistas e o operariado. Café Filho foi depois ministro do Tribunal de Contas do Estado de Guanabara e faleceu no Rio de Janeiro em 20 de fevereiro de 1970.
Nereu de Oliveira Ramos ( Nereu Ramos ) 1955 – 1956: Assumiu com a hospitalização do Presidente Café Filho e o impedimento decretado a seu substituto Carlos Luz, foi empossado Nereu Gomes na Presidência da República. Seu Mandato se deu sob o estado de sítio e em 31 de janeiro de 1956 passou o cargo ao presidente eleito Juscelino Kubitschek, assumindo o Ministério da justiça. Em 1957, deixou este cargo, voltando ao Senado. Faleceu em 16 de junho de 1958, em um desastre aéreo.
Juscelino Kubitschek de Oliveira (Juscelino Kubitschek ) 1956 – 1961: Encampou o projeto "50 anos em 5", falando em modernizar amplamente o país. Construiu a Rodovia Belém – Brasília; impulsionou a indústria automobilística; empreendeu, no setor hidrelétrico, as gigantescas obras de Furnas e de Três Maria; auxiliou a expansão da Petrobrás. Sua grande realização, entretanto, foi a fundação de Brasília. Terminou seu mandato enfrentando uma enorme dívida externa e uma galopante inflação. Entregou a Presidência em 1961 a Jânio Quadros. No governo de Jânio foi eleito senador por Goiás. Em 1964 seu mandato foi caçado e seus direitos políticos suspensos por 10 anos. Faleceu em desastre de automóvel quando vinha de São Paulo para o Rio de Janeiro em 22 de agosto de 1976.
Jânio da Silva Quadros ( Jânio Quadros ) 1961: Nasceu em Campo Grande, Mato Grosso, em 25 de janeiro de 1917. Com carreira brilhante na política paulista, Jânio apresentou-se para a eleição com uma força enorme, atraindo votos de todo tipo de eleitor. Já empossado, não conseguiu contentar estes setores, com uma política econômica de sacrifícios e uma política externa de independência vista como perigosa. Renunciou em agosto de 1961, à espera de ser aclamado pelo exército e pela burguesia. Perdeu seu cargo.
João Belchior Marques Goulart ( João Goulart - Jango ) 1961-1964: Adotou-se então um sistema parlamentarista, em que se tirava o centro do poder das mãos do presidente. Este regime durou até 1963, onde, através de um plebiscito, Jango recuperou o sistema presidencialista e retomou sua atuação. Apoiando-se nos trabalhadores, sugeriu reformas de base para diminuir os abismos sociais do Brasil. Foi visto como representante do perigo comunista e deposto em 1964. Morreu no exílio no dia 6 de dezembro de 1976, no município argentino de Mercedes, vítima de um ataque cardíaco.
Movimento Militar de 1964:
Marechal Humberto de Alencar Castelo Branco ( Castelo Branco ) 1964 – 1967: O Supremo Comando da Revolução fez com que o Congresso o elegesse, em 11 de abril de 1964,assumindo o governo no dia 15 do mesmo mês, para uma presidência provisória. Seu ministério era formado por membros da linha dura do exército, e administradores que tomaram para si o projeto de saneamento das finanças. O presidente ganhou o poder de governar com decretos-lei, e contava com os Atos Institucionais para tirar a oposição do caminho. Havia forte repressão às manifestações contrárias às atitudes do governo. Faleceu em um desastre aéreo, em 18 de julho de 1967, após haver deixado a Presidência.
Marechal Artur Costa e Silva ( Costa e Silva ) 1967 – 1969: Decretou o Ato Institucional nº 5, e fechou o Congresso por dez meses. Fortaleceu os radicais da ala militar. Foi afastado da presidência por uma trombose cerebral. Assumiu uma Junta Militar, que nomeou o próximo presidente. Faleceu no Rio de Janeiro no dia 17 de dezembro de 1969, vítima de um distúrbio circulatório. A partir de sua doença o governo foi exigido interinamente por uma junta militar composta pelo ministros do Exército, Marinha e Aeronáutica, que passaram o poder ao Presidente Emílio Garrastazu Médici.
General Emílio Garrastazu Médici ( Garrastazu Médici ) 1969 – 1974: Com a enfermidade do Presidente Costa e Silva, foi indicado e eleito pelo Congresso Nacional para a Presidência da República. Governou sob o clima do Milagre Econômico, que entusiasmou a classe média. A divulgação de seus projetos pela televisão criou um clima de ufanismo nacional. A vitória na Copa de 70, por exemplo, foi utilizada como símbolo do futuro de sucesso do Brasil. Investiu em grandes obras de necessidade duvidosa, como a rodovia Transamazônica. Ao mesmo tempo, os militares tiveram que enfrentar a reação de grupos que encontraram na luta armada o caminho de oposição à ditadura. Os êxitos econômicos do "Milagre" justificaram o rígido controle político – ideológico mantido durante o seu mandato. Faleceu em 9 de outubro de 1985.
General Ernesto Geisel ( Geisel ) 1974 - 1979: Foi lançado oficialmente candidato à Presidência em 18 e julho de 1973, vencendo o pleito do Colégio Eleitoral em 15 de janeiro de 1974. Assumiu a presidência logo após a Crise do Petróleo, que encontrou um Brasil otimista e despreparado para enfrentá-la. Mesmo assim manteve construção de obras gigantescas, como a ponte Rio - Niterói e a Usina Nuclear em Angra dos Reis. Iniciou o processo de abertura política, pressionado pelos opositores e pela opinião pública. Entre suas principais realização destacam-se o reatamento das relações com a China; o II Plano Nacional de Desenvolvimento, visando ao desenvolvimento do País; a busca de novas fontes de energia, realizando o acordo nuclear com a Alemanha e criando os contratos de risco com a Petrobrás; início do processo de redemocratização do País. Em 1979, passou o Governo ao General João Batista de Oliveira Figueiredo. Após vários estudos, negociações, acordos políticos, o Presidente Ernesto Geisel assina em 11 de Outubro de 1977 a Lei Complementar nº 31 que cria o Estado de Mato Grosso do Sul.
General João Batista de Oliveira Figueiredo (1979-1985): Com o general – exército, foi escolhido pelo seu partido – ARENA – candidato à Presidência, obtendo a vitória pelo Colégio Eleitoral em 15 de outubro de 1978, prometendo "a mão estendida em conciliação". Como presidente, discursou na ONU, a 27 de setembro de 1979, onde criticou os autos juros impostos pelos países desenvolvidos que impediam os demais de crescerem. Último presidente do regime militar, deu seqüência ao processo de abertura. Em 1979 assinou a Lei de Anistia, que permitia o retorno de exilados políticos ao Brasil. Governou sob grave recessão econômica, acompanhada de numerosas greves. Ao final de seu governo, os políticos da oposição estavam extremamente prestigiados. Em 1984, foi substituído no Governo por José Sarney, vice – presidente de Tancredo Neves, eleito indiretamente pelo Congresso Nacional.
Redemocratização
José Ribamar Ferreira de Araújo Costa ( José Sarney ) 1985 – 1990: Presidente da transição para a democracia, assumiu o cargo após a morte de Tancredo Neves, que faleceu antes de a tomar posse. Enfrentou um período de inflação descontrolada através de diversos planos, sendo o Plano Cruzado o que teve sucesso por mais tempo. Várias concessões políticas a seus grupos de sustentação impediram a manutenção de uma política econômica austera.
Fernando Collor de Melo 1990 – 1992: Primeiro presidente brasileiro eleito por voto direto depois da ditadura militar e o único, até agora, a sofrer um processo de Impeachment. Foi com um discurso anti-corrupção e modernizador. Implantou o Plano Collor, que revoltou a população ao impedir saques de contas particulares e poupanças nos bancos acima de uma determinada quantia. Abriu o mercado para a entrada de produtos estrangeiros. Mesmo buscando manter uma imagem de herói junto à população, sofreu um processo de Impeachment por corrupção e renunciou ao seu cargo. De volta a Brasília, escolhe São Paulo como domicílio eleitoral e anuncia a intenção de concorrer para a Prefeitura da cidade em 2000.
Itamar Augusto Cautieiro Franco ( Itamar Franco )1992 – 1994: Vice de Fernando Collor de Melo, assumiu a presidência em caráter definitivo, em 29 de dezembro de 1992, após sua renúncia. Enfrentando novamente o retorno da inflação, deu início ao processo de desindexação que levou ao Plano Real, no mandato seguinte. Deixou o mandato em 1 de janeiro de 1995, com índice de popularidade entre os mais altos da República.
Fernando Henrique Cardoso ( FHC ) 1994 – 2003: Implementou o Plano Real, que reduziu significativamente a inflação. Iniciou o processo de privatização das empresas estatais, enfrentando protestos. Conseguiu aprovar no Congresso Nacional várias emendas à Constituição, inclusive a que permite a sua própria reeleição.
Luiz Inácio Lula da Silva (Lula) 2003 : Até os dias atuais Metalúrgico brasileiro nascido em Garanhuns, PE, que como líder do movimento sindical brasileiro chegou a Presidência da República (2002). Filho de lavradores mudou-se (1952), com a mãe e seis irmãos, para Santos, no litoral do Estado de São Paulo. Aos nove anos começou a trabalhar como vendedor ambulante, aos 12 como entregador de tinturaria e aos 15 como metalúrgico numa fábrica de parafusos. Formou-se torneiro mecânico pelo Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (SENAI). Começou a militar no movimento sindical (1969) e, seis anos depois, assumiu a presidência do Sindicato dos Metalúrgicos de São Bernardo do Campo e Diadema. Em pleno regime militar, liderou (1978) a primeira grande greve operária do Brasil em dez anos. Durante outra greve (1980), foi preso e enquadrado na Lei de Segurança Nacional. Essas greves de metalúrgicos do ABC paulista projetaram-no como líder do movimento sindical brasileiro. Comandou a fundação do Partido dos Trabalhadores, o PT, e da Central Única dos Trabalhadores, CUT (1980). Candidato ao governo do estado de São Paulo (1982) ficou em quarto lugar. Dois anos depois participou ativamente da campanha das diretas-já e (1986) foi eleito deputado federal com a maior votação da história do país. Na Assembléia Nacional Constituinte, defendeu a reforma agrária, a empresa nacional, a nacionalização das reservas minerais e a estatização dos bancos. Candidatou-se pela primeira vez à presidência da república (1989), pela Frente Brasil Popular (PT, PSB e PC do B), mas foi derrotado, no segundo turno, por Fernando Collor de Melo, que conquistou 53% dos votos válidos. Após a eleição, optou por não se candidatar a uma vaga no Congresso para viajar pelo Brasil, como preparação para a eleição presidencial (1994). Nesse ano, o candidato do Partido da Social Democracia Brasileira (PSDB), Fernando Henrique Cardoso, elegeu-se presidente da república com 54,3% dos votos válidos no primeiro turno e ele ficou em segundo lugar, com 27% dos votos válidos. Derrotado novamente por FHC (1998), depois de três derrotas em três eleições seguidas, chegou à Presidência da República pelo voto direto. A vitória contra José Serra (PSDB) no segundo turno das eleições de outubro levaram, pela primeira vez na história do Brasil, um operário ao topo do poder. Tornou-se, então, personagem central de uma história da ascensão de um ex-operário e retirante nordestino no cenário político do país, fundador e dirigente de um dos principais partidos de esquerda do Brasil e, com muita persistência, disputar e finalmente ganhar a eleição para a presidência da república.

Atividade:
1. Cite os presidentes da República do período denominado de “Redemocratização”.
2. Compare governo de Getúlio Dornelles Vargas ( Getúlio Vargas ) 1930 - 1945 e do segundo mandato 1951 – 1954.
3. Descreva o governo de Fernando Collor de Melo 1990 – 1992.
4. Descreva o governo de Fernando Henrique Cardoso ( FHC ) 1994 – 2003.
5. Descreva o governo de Itamar Augusto Cautieiro Franco ( Itamar Franco )1992 – 1994.
6. Descreva o governo de José Ribamar Ferreira de Araújo Costa ( José Sarney ) 1985 – 1990:
7. Descreva o governo de General João Batista de Oliveira Figueiredo (1979-1985).
8. Descreva o governo de General Ernesto Geisel ( Geisel ) 1974 - 1979.
9. Descreva o governo de General Emílio Garrastazu Médici ( Garrastazu Médici ) 1969 – 1974.
10. Quem foram os presidentes durante o período militar?

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Muito obrigada pela sua contribuição......volte sempre.